Navigation

Amado Boudou é o primeiro vice-presidente argentino processado por corrupção

O vice-presidente argentino, Amado Boudou afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. junho 2014 - 16:31
(AFP)

Amado Boudou, primeiro vice-presidente da história argentina a ser processado em um caso de corrupção no exercício do cargo, é um amante do rock que toca guitarra, fã de motocicletas e ex-militante da direita liberal convertido ao peronismo.

Nascido no famoso balneário de Mar del Plata, Boudou, de 51 anos, é visto com desconfiança pelos peronistas por não ter sua origem e por ser o queridinho da presidente Cristina Kirchner.

Ele que chegou à vice-presidência argentina como companheiro de chapa de Cristina Kirchner em 2011 com 54% dos votos, foi processado na sexta-feira - com outros cinco réus- por "suborno" e "negociações incompatíveis" em um caso de corrupção envolvendo uma gráfica quando era ministro de Economia (2009-2011).

A resolução judicial indica que Boudou, "aproveitando sua condição de funcionário público, e (o também acusado) Nuñez Carmona, teriam feito um acordo com Nicolás e Héctor Ciccone, e com Guillermo Reinwick para a venda de 70% da empresa 'Ciccone Calcográfica', tendo como condição que a empresa voltasse a ser contratada e operasse na Administração Pública".

O vice-presidente - que foi processado sem prisão preventiva e sofreu um "embargo de 200.000 pesos (aproximadamente 25.000 dólares) sobre seus bens" - foi citado pelo juiz para que no dia 16 de julho preste mais esclarecimentos, como o próprio acusado havia pedido.

- Boudou se declara inocente -

Boudou depôs como réu por mais de sete horas no dia 9 junho devido à suspeita de monopólio na impressão de bilhetes por uma gráfica quando ele era ministro da Economia em 2010.

Até agora o vice-presidente afirma ser vítima de uma campanha da imprensa com o objetivo de ofuscar o êxito do acordo alcançado no mês passado com o Clube de Paris e garante que provará sua inocência.

A notícia sobre a sua convocação para depôr saiu um dia depois de o governo ter chegado a um acordo com o Clube de Paris em torno de um plano de pagamentos para quitar definitivamente a moratória declarada em 2001.

- Responsável pela reestatização dos fundos de pensão -

Boudou, que foi um fervoroso militante da juventude da neoliberal União de Centro Democrático na década de 1990, ganhou a confiança dos Kirchner quando esteve à frente da Administração Nacional de Previdência Social (Anses).

Ele anunciou na época a estatização dos fundos de capitalização privados, processo que culminou em outubro de 2008 e que teve forte resistência das corporações bancárias.

A medida permitiu que o Estado voltasse a controlar os milionários recursos previdenciários e dispor de fundos para implementar políticas sociais como a abono universal por filho, uma ajuda econômica mensal que alcança quase três milhões de argentinos.

Sempre sorridente e gentil, Boudou é um apaixonado pelo rock que não teme empunhar a guitarra e cantar ao microfone nas reuniões que organiza, onde se misturam políticos, artistas e amigos. Apesar do perfil extrovertido, o vice-presidente tem adotado um perfil cada vez mais reservado, conforme seu processo judicial vai avançando.

No Ministério da Economia, obteve êxito no processo de reestruturação da dívida pública argentina com a permuta dos títulos, passando 92% dos papéis para mãos privadas.

Formado em Economia pela Universidade Nacional de Mar del Plata (sul), Boudou tem mestrado em Economia no CEMA e fez uma especialização em sistemas de administração pública na Universidade de Bolonha em Buenos Aires.

A mandatária, que sempre apoiou seu vice-presidente, não fez qualquer menção pública à situação judicial de Boudou.

Boudou tem apoiado cegamente as decisões do Executivo e exerceu com discrição e sem sobressaltos os 20 dias em que assumiu a presidência, quando Kirchner foi operada de tireoide em janeiro de 2012.

Também reagiu bem à ironia presidencial, quando Kirchner o chamou publicamente de "rico" de Puerto Madero,à beira do rio da Prata onde vive o vice-presidente.

Amado Boudou não é casado, mas vive um relacionamento com uma jornalista de rádio.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.