Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Kent Brantly e Nancy Writbol

(afp_tickers)

Dois missionários americanos infectados pelo perigoso vírus Ebola quando trabalhavam na Libéria se recuperaram e receberam alta de um hospital de Atlanta, informaram médicos nesta quinta-feira.

O médico Kent Brantly, de 33 anos, e Nancy Writebol, de 60, foram infectados pelo Ebola em Monróvia no mês passado, e foram transferidos de avião ao Hospital da Universidade de Emory para ser tratados.

"A alta hospitalar de ambos os pacientes não representa qualquer ameaça para a saúde pública", disse Bruce Ribner, diretor da Unidade de Doenças Infecciosas de Emory.

Writebol recebeu alta no dia 19 de agosto, de acordo com um comunicado do grupo de ajuda humanitária para o qual ela trabalhava, SIM USA.

Brantly compareceu vestindo uma camisa azul ao lado de médicos do Hospital da Universidade de Emory em uma coletiva de imprensa, sorrindo e de mãos dadas com sua esposa.

"Depois de uma etapa rigorosa de tratamento e exames, a equipe do Emory Healthcare determinou que ambos os pacientes se recuperaram do vírus Ebola e podem voltar para as suas famílias e comunidades, sem preocupação com a propagação desta infecção para outras pessoas", disse Ribner.

O atual surto do vírus Ebola na África Ocidental é o maior da história e já matou 1.350 pessoas desde março na Libéria, Guiné, Serra Leoa e Nigéria.

Franklim Graham, presidente do grupo missionário cristão para o qual Brantly trabalhava na Libéria, Samaritan's Purse, saudou o espírito corajoso do médico, que lutou e sobreviveu ao vírus.

"Hoje eu me uno a todos da nossa equipe do Samaritan's Purse em todo o mundo agradecendo a Deus no momento em que comemoramos a recuperação do Dr. Kent Brantly do Ebola e sua alta do hospital", disse Graham.

"Nas últimas semanas, fiquei maravilhado com o espírito corajoso do Dr. Brantly enquanto ele lutava contra este vírus terrível com a ajuda da equipe altamente competente e cuidadosa do Hospital da Universidade de Emory", acrescentou.

AFP