Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro da força de elite iraquiana vasculha prédio em Mossul.

(afp_tickers)

As autoridades iraquianas devem anunciar de maneira iminente a vitória final da ofensiva para recuperar o controle de Mossul, segunda maior cidade do país, das mãos dos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), indicou neste sábado à AFP o general americano Robert Sofge.

"Um anúncio é iminente", afirmou. "Não posso especular se será hoje ou amanhã, mas acredito que será muito em breve".

Os radicais que continuam na região de Mossul estão lutando com todas as forças numa pequena área de dois quarteirões da cidade antiga, perto do rio Tigre, segundo Sofge, e estão "desesperados".

Alguns tentam se misturar aos civis raspando a barba e mudando de roupa, outros estão se fingindo de mortos e detonam explosivos enquanto as forças iraquianas se aproximam.

"Eles estão causando tanto dano quanto é possível nessa reta final", disse Sofge.

A disputa por Mossul começou em 16 de outubro de 2016 e ficou cada vez mais violenta conforme as tropas iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos se aproximavam do centro da cidade.

O EI colocou bombas em quase todos os prédios e estruturas que ocuparam. "Os inimigos colocaram explosivos em todo canto, todos os lugares, todos os armários, em certo caso, até debaixo de um berço", contou Sofge.

Uma vitória final em Mossul seria um marco para as tropas iraquianas.

"Eles merecem toda a celebração, o orgulho e a sensação de missão cumprida que uma força militar possa sentir", apontou o general, oferecendo "congratulações desde já por uma grande batalha".

"Esse combate em Mossul não tem nada a ver com o que os militares modernos vão encontrar nessa vida. Você tem que pensar na Segunda Guerra Mundial para achar algo que sequer se pareça com isso", afirmou.

Ainda assim, Sofge alertou para o fato de o EI ainda ter forças em outras partes do Iraque e da Síria.

"A libertação de Mossul vai provocar uma reação", acredita o general. "Precisamos ficar atentos aos próximos passos".

AFP