Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A organização Anistia Internacional condenou nesta quarta-feira um projeto de lei que tramita no Parlamento do Egito visando a criminalizar a homossexualidade

(afp_tickers)

A organização Anistia Internacional condenou nesta quarta-feira um projeto de lei que tramita no Parlamento do Egito visando a criminalizar a homossexualidade, que qualificou de "repressão homofóbica sem precedentes".

No Egito, a homossexualidade não é crime, mas muitos juízes interpretam as leis sobre "libertinagem" e "prostituição" para condenar gays.

A nova lei prevê penas de entre um e três anos de prisão para os condenados pela primeira vez, sem importar se o ato foi público ou privado. Em caso de reincidência, a pena sobe para cinco anos de prisão.

"Este projeto de lei profundamente discriminatório será um enorme retrocesso para os direitos humanos e representará um tiro de misericórdia nos direitos sexuais no Egito", declarou Najia Bounaim, diretora de campanhas para o Norte da África.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP