Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O furacão Irma, em imagem divulgada nesta terça-feira pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA

(afp_tickers)

As Antilhas francesas se preparavam, nesta terça-feira (5), para a chegada do furacão Irma, de categoria 5, o qual também ameaça Flórida e Haiti e obrigou autoridades a fecharem escolas e portos e reforçarem as medidas para proteger a população do litoral.

A trajetória de Irma ainda é incerta, mas, segundo várias projeções, passará pelo Haiti, pela República Dominicana e por Cuba.

No final de semana, o furacão poderá alcançar a costa leste dos Estados Unidos, apenas alguns dias depois da passagem devastadora do Harvey. O saldo deste último chegou a pelo menos 42 mortos e a enormes danos materiais.

Irma chegou à categoria 5 nesta terça, a potência máxima na escala que mede esses fenômenos naturais, anunciou o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. A instituição alertou que Irma se tornou "um furacão extremamente perigoso".

Os preparativos para a chegada do furacão "devem se acelerar e serem rapidamente concluídos na zona de advertência", disse o NHC, que tem sua sede em Miami.

Às 12h GMT (9h em Brasília), Irma se encontrava 440 quilômetros ao leste de Antígua, com ventos máximos constantes de 280 km/h. O furacão se dirigia rumo às Antilhas, segundo o Serviço Meteorológico francês.

"Se aproximará das ilhas do norte a partir de terça-feira à noite", informa.

O governador da Flórida, Rick Scott, já declarou todos os condados do estado em situação de emergência, de modo a liberar recursos para receber essa "perigosa tempestade" no final de semana.

Em Porto Rico, um território de 3,5 milhões de habitantes que pode ser atingido pelo Irma amanhã de manhã, o governador Ricardo Rossello mobilizou a Guarda Nacional e anunciou a abertura de centros de acolhida com até 62.000 leitos.

- 'Risco muito alto' -

Nas pequenas ilhas antilhanas de São Bartolomeu e São Martinho, o retorno às aulas foi suspenso na segunda-feira (4).

A representante do Estado francês nesses territórios, Anne Laubies, disse se tratar de uma "situação de muito alto risco para cerca de 11.000 pessoas no máximo". Ela anunciou a passagem nesta terça para alerta vermelho ciclônico, o que implica que a população devem permanecer abrigada.

"Estamos diante de uma problemática maior que não víamos em mais de 20 anos", completou Laubie.

Em Guadalupe, as escolas vão permanecer fechadas hoje e amanhã, e "as casas na parte baixa e à beira de penhascos serão evacuadas", devido a um risco de "inundação" e de "desabamento", segundo as autoridades locais.

Os prédios públicos estarão fechados nesta quarta. A recomendação é que as empresas privadas façam o mesmo para "liberar as estradas para a circulação dos veículos de emergência".

Os hospitais deverão contar com "72 horas de antecedência no [abastecimento de] remédios, alimentos e água potável" e "verificar o funcionamento de seus geradores de energia".

Um habitante contou à AFP que "colocou dentro de casa tudo que podia sair voando, incluindo a geladeira", que estava na varanda. Outros buscaram proteger barcos, caiaques, ou qualquer outro objeto que possa se transformar em um projetil.

Ontem à noite, a Martinica foi posta em "vigilância laranja por mar perigoso na costa".

Também se emitiu alertas nas ilhas de Antígua e Barbuda, Anguila, Montserrat, São Cristóvão e Névis, Saba e Santo Eustáquio.

O olho do Irma pode passar na quinta e na sexta-feiras pelo norte da República Dominicana, do Haiti e de Cuba e, depois, prosseguir pelas Bahamas e pelo sul da Flórida no fim de semana.

O NHC disse que provocará chuvas de até 250 milímetros e ondas "grandes e destruidoras".

burs-lv/dab/app-meb/acc/tt

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP