Navigation

Anunciam medidas no Haiti para acalmar protestos

Manifestante queima uma bandeira americana durante protesto na capital haitiana, Porto Príncipe, em 15 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. fevereiro 2019 - 11:23
(AFP)

O primeiro-ministro do Haiti, Jean-Henry Ceant, anunciou na noite de sábado (16) medidas de urgência, entre elas cortes administrativos, luta contra o contrabando e a corrupção, após 10 dias de paralisação do país.

"A primeira medida é cortar o orçamento do primeiro-ministro em 30%, sugerindo à Presidência e ao Parlamento que façam o mesmo", disse Ceant.

"Também serão retirados os privilégios desnecessários dos funcionários do Estado, como gastos de combustível, telefone, viagens inúteis ao exterior, e assessores", acrescentou em um discurso transmitido pela televisão.

Em sua fala, o chefe de Governo também declarou que enfatizará a luta contra a corrupção e o contrabando.

Além disso, anunciou reuniões com o setor privado para considerar um aumento do salário mínimo.

Condenou a queima, na sexta-feira, da bandeira dos Estados Unidos, "um país amigo", por parte de manifestantes para denunciar a ingerência de Washington na política haitiana.

Ao menos sete pessoas morreram no Haiti desde 7 de fevereiro em distúrbios que causaram importantes danos materiais, principalmente na capital. Os manifestantes pedem melhores condições de vida e a renúncia do presidente, Jovenel Moise.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.