Navigation

Aos 46 anos do golpe de Pinochet, grande marcha lembra suas vítimas

“Marchamos com a convicção de que no Chile ainda não há verdade ou justiça total”, disse Marco Barraza, membro do Partido Comunista chileno. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. setembro 2019 - 17:31
(AFP)

Quando se comemoram 46 anos do golpe de Estado que instaurou a ditadura de Augusto Pinochet, sua figura segue dividindo os chilenos. Neste domingo (8), uma grande marcha em memória de suas vítimas terminou em confrontos com a polícia.

Manifestantes encapuzados, com pedras e paus, entraram em confronto com agentes das forças especiais, que aguardaram o avanço da multidão pelo centro de Santiago até chegar ao memorial no Cemitério Geral das mais de 3.000 vítimas – entre mortos e desaparecidos – que deixou a ditadura chilena (1973 – 1990).

A polícia prendeu vários manifestantes no local.

“Marchamos com a convicção de que no Chile ainda não há verdade ou justiça total”, disse Marco Barraza, membro do Partido Comunista chileno.

A marcha deste domingo começou na praça Los Heroes, no centro de Santiago, e avançou pacificamente por várias ruas em direção ao cemitério. Os manifestantes levaram cravos vermelhos e fotografias de parentes executados ou desaparecidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.