AFP

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman

(afp_tickers)

Israel reiterou, neste domingo (9), a advertência a seus cidadãos para que não viajem para o Sinai egípcio, ou para que abandonem "imediatamente" a área, depois dos atentados cometidos contra igrejas cristãs no Egito.

Pelo menos 44 pessoas morreram em Tanta e em Alexandria em um duplo atentado reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI).

"O sangrento ataque reflete, mais uma vez, a capacidade terrorista do EI", denuncia o escritório antiterrorista do governo israelense, em um comunicado.

"Dada a gravidade da ameaça, o escritório aconselha todos os israelenses atualmente no Sinai a que partam imediatamente e regressem para Israel", acrescenta a nota.

No mês passado, esse mesmo órgão já havia divulgado uma advertência similar a respeito do Sinai, destino habitual dos israelenses durante a Páscoa judaica, que começa na segunda-feira.

AFP

 AFP