Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Junho) Computador em Geldrop, Holanda, exibe mensagem após ser infectado por um ransomware

(afp_tickers)

O pequeno mundo da cibersegurança se reúne esta semana em Mônaco para afinar suas estratégias e tentar aumentar a proteção virtual para blindar empresas traumatizadas com os ataques dos vírus Wannacry e NotPetya este ano.

Os prejuízos causados por ambos os ataques cibernéticos chegam a bilhões de dólares.

"Há novos riscos que apareceram nos últimos 12 meses", disse à AFP o diretor-geral da francesa Agência Nacional de Segurança dos Sistemas de Informação (Anssi), Guillaume Poupard.

A ameaça certamente não é novidade, com intensos ataques informáticos atingindo nos últimos anos instituições estonianas, a petroleira Saudi Aramco, os estúdios Sony Pictures Entertainment, a emissora de televisão sul-coreana, ou a rede francesa TV5Monde.

A diferença é que o mundo ainda não havia conhecido uma ciberofensiva da envergadura de Wannacry e NotPetya.

Lançado em maio e em junho, o primeiro foi um ransomware que paralisou centenas de milhares de computadores no mundo inteiro, afetando o Sistema de Saúde britânico, as estradas de ferro alemãs e fábricas da montadora Renault.

No caso do NotPetya, registrado em junho, "é realmente um ataque de destruição, de sabotagem", avaliou Poupard.

"Ali, o objetivo era realmente fazer mal", afirmou o diretor da Anssi, explicando que o alvo era o sistema de impostos da Ucrânia.

"Mas, no ciberespaço, isso espalha rápido e faz, rapidamente, vítimas colaterais", entre elas, empresas que faziam negócios com Kiev e que tiveram seus sistemas infectados, completou ele.

A principal vítima francesa conhecida foi a Saint-Gobain, que estima uma perda de mais de 250 milhões de euros.

"Com esses ataques, houve uma verdadeira mudança de dimensão na compreensão da ameaça nas empresas", constatou o especialista Gérôme Billois, da Wavestone.

- Espionagem -

"Tínhamos o costume de ver ataques para roubar dados e expô-los - o que prejudicava a imagem da marca e prejudicava clientes. Tivemos fraudes financeiras, o que fazia perder dinheiro, e quantias cada vez mais vultosas", lembra.

"Mas, agora, com os dois ataques Wannacry e NotPetya, foi a empresa que parou completamente durante vários dias!", acrescentou.

O tema será, evidentemente, abordado nas mesas sobre segurança e sistemas de informação que acontecem de quarta a sexta-feiras (11-13 de outubro), no Palácio do Congresso de Mônaco. Mais de 2.500 pessoas são esperadas no evento.

Além desses ataques espetaculares, "spywares" são cada vez mais numerosos, representando o básico do "fundo de comércio" da Anssi.

"Há uma subestimativa muito forte dessa ameaça, que representa, porém, 95% da ameaça", adverte Guillaume Poupard.

"Cibersegurança custa dinheiro", afirma o secretário francês de Estado para o Digital, Mounir Mahjoubi.

Mas, alerta ele, "uma empresa que não investe em cibersegurança deveria ser um 'warning', porque é uma tomada de risco hoje não se proteger".

A partir de maio próximo, atendendo a uma norma do bloco, as empresas europeias serão obrigadas a tornar público qualquer roubo de dados pessoal. A maioria das companhias ainda prefere manter sigilo sobre os ataques dos quais são alvo, sobretudo, para preservar sua reputação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP