Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fábrica na cidade russa de Tolyatti

(afp_tickers)

O desemprego na Rússia alcança patamares históricos mínimos, a uma taxa anual de 4,9% em junho, apesar da crise, que parece empurrar o país para a recessão, informou a agência oficial de estatísticas nesta quarta-feira.

O número de desempregados baixou 0,4% ao mês, e ficou em 3,7 milhões, informou a agência Rosstat.

A taxa de desemprego se manteve no mesmo nível do mês anterior (4,9%), uma cifra historicamente baixa.

A economia russa sofre, entretanto, uma forte desaceleração em consequência das sanções ocidentais relacionadas à crise ucraniana e evitou por pouco a recessão no segundo trimestre, com um crescimento nulo em comparação aos três meses anteriores.

As estatísticas oficiais para esse período ainda não foram publicadas.

Mas para o economista Chris Weafer, da Macro Advisory, "a desaceleração da economia é causada pelas grandes indústrias administradas ou reguladas pelo Estado, que não reduzem o número de funcionários (...) por razões políticas e sociais".

Por outro lado, "para as pequenas e médias empresas o crescimento continua sendo muito bom", explicou à AFP.

Essas cifras têm também uma explicação estrutural: "o número de trabalhadores diminui na Rússia (...) pela redução da natalidade no final dos anos 1980 e 1990, o que permanecerá por décadas", completou Weafer.

"A taxa de desemprego pode baixar e trazer um problema de recursos para a economia", alertou.

AFP