Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos

(afp_tickers)

A aprovação do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, aumentou em setembro, em meio à crise na fronteira com a Venezuela, que afeta milhares de colombianos, embora tenha diminuído a aceitação de sua política externa, segundo uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

Depois de chegar a um mínimo histórico em julho passado, com 24% de aprovação, a percepção positiva do presidente colombiano subiu nove pontos percentuais em setembro, a 33%, segundo uma pesquisa da empresa Datexco divulgada pela emissora La W Radio e o jornal "El Tiempo".

A imagem negativa do presidente caiu desde o máximo histórico de 67% em julho para 59% em setembro. A percepção da condução do país também melhorou, passando de 22% de aprovação em julho para 29% este mês.

A desaprovação em matéria de condução da política externa pelo governo Santos alcançou em setembro o máximo histórico de 59%, comparado com os 51% de julho.

A crise entre Colômbia e Venezuela explodiu em 19 de agosto, quando o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, decretou o fechamento de parte da fronteira após um ataque a militares durante uma operação contra o contrabando, que Maduro atribuiu a paramilitares colombianos.

A tensão na fronteira resultou em 1.355 colombianos deportados e mais de 15 mil que fugiram da Venezuela por medo de serem expulsos sem a família ou seus pertences, segundo dados das Nações Unidas.

Colômbia e Venezuela dividem uma fronteira de 2.219km, em que denunciam a atividade de grupos ilegais que lucram com o contrabando de combustível e outros produtos altamente subsidiados pelo governo venezuelano.

AFP