Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mais de 150 milhões de pessoas no planeta podem estar em risco de deficiência de proteína em 2050

(afp_tickers)

Os níveis crescentes de dióxido de carbono associados ao aquecimento global reduzirão drasticamente a quantidade de proteínas em cultivos básicos como o arroz e o trigo, deixando populações vulneráveis ​​em risco de atraso no crescimento e morte precoce, disseram especialistas nesta quarta-feira.

Os pesquisadores destacam que ainda não sabem como ou porque as emissões de dióxido de carbono reduzem as proteínas e outros nutrientes das plantas, mas o mistério pode ter consequências devastadoras em todo o mundo.

Mais de 150 milhões de pessoas no planeta podem estar em risco de deficiência de proteína em 2050 devido ao aumento dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera, disse o estudo publicado na revista Environmental Research Letters.

O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Harvard, é o primeiro a quantificar os impactos do aquecimento global nos níveis de proteína das colheitas.

A pesquisa se baseou em dados de experimentos de campo em que as plantas foram expostas a altas concentrações de CO2.

Informações nutricionais das Nações Unidas foram usadas para calcular o impacto dessa redução de proteínas nas pessoas vulneráveis. Sem as quantidades necessárias de proteínas, o crescimento é atrofiado, as doenças são mais frequentes e a mortalidade precoce é muito mais provável.

Outras pesquisas mostraram que o aumento do CO2 reduziria a quantidade de minerais essenciais como o ferro e o zinco em culturas básicas, levando a maiores deficiências nutricionais em todo o mundo.

Os pesquisadores calcularam que em 2050 as altas concentrações de CO2 reduzirão os teores de proteína da cevada em 14,6%, do arroz, em 7,6%, do trigo, em 7,8% e das batatas, em 6,4%.

"Se os níveis de CO2 continuarem aumentando conforme o previsto, as populações de 18 países podem perder mais de 5% de suas proteínas alimentares até 2050 devido ao declínio do valor nutricional do arroz, trigo e outras culturas básicas", afirma o estudo.

Um total de 76% das pessoas na Terra dependem de plantas para obter a maior parte das suas proteínas diárias, particularmente em áreas pobres do planeta.

As áreas mais afetadas deverão ser a África Subsaariana, onde milhões já não ingerem proteínas suficientes em suas dietas, e o sul da Ásia, onde o arroz e o trigo são alimentos básicos.

A Índia pode perder 5,3% das proteínas de uma dieta padrão, colocando um total previsto de 53 milhões de pessoas em risco de deficiência proteica.

Pesquisadores disseram que as soluções podem incluir o corte de emissões de carbono, o apoio a dietas mais diversificadas, o enriquecimento do conteúdo nutricional de cultivos básicos e a criação de cultivos menos sensíveis aos efeitos nocivos do CO2.

AFP