Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou alguns dos príncipes, ministros e empresários detidos por corrupção na Arábia Saudita de terem "sangrado" aquele país, mostrando um claro apoio ao rei Salman e ao príncipe herdeiro, Mohamed ben Salman, após o expurgo saudita.

"Tenho inteira confiança no rei Salman e no príncipe herdeiro da Arábia Saudita. Sabem perfeitamente o que fazem", escreveu Trump no Twitter.

"Alguns dos que são tratados com dureza 'sangraram' seu país durante anos", acrescentou Trump, que deve chegar nesta terça-feira à Coreia do Sul.

Dezenas de personalidades políticas e empresários foram detidos neste final de semana no que as autoridades sauditas descreveram como uma operação contra a corrupção, incluindo o bilionário príncipe Al Walid bin Talal.

As drásticas medidas contra empresários afetarão a confiança dos investidores e ameaçam o programa de reformas Vision 2030, criado pelo príncipe Mohamed, de 32 anos.

O expurgo antecipa uma reestruturação sem precedentes no reino, já que o príncipe Mohamed destrói assim o modelo de governo que tinha consenso entre a família real, concentrando um poder extraordinário.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP