Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Multidão é vista na cidade sagrada xiita de Mashhad, Irã, no dia 21 de março de 2009

(afp_tickers)

A Arábia Saudita convocou o embaixador iraniano para tratar da intoxicação de trinta peregrinos sauditas no Irã que causou a morte de quatro crianças, informou a imprensa estatal nesta terça-feira.

Riad convocou o embaixador "para expressar a sua profunda preocupação após o incidente, esperando que as autoridades iranianas realizem uma investigação rápida para determinar as circunstâncias" do incidente, declarou Osama Nugali, chefe do serviço de Informação do ministério das Relações Exteriores, citado pela agência oficial de notícias SPA.

Segundo o site do canal iraniano Press TV, a intoxicação ocorreu na cidade sagrada xiita de Mashhad.

O canal citou Abdollah Bahrami, chefe do hospital de Imam Reza, em Mashhad, dizendo que 33 peregrinos sauditas foram hospitalizadas no domingo com sintomas de intoxicação. Quatro crianças morreram.

Eles estavam hospedados em um hotel de Mashhad, de acordo com a Press TV, citando também o promotor da cidade, Gholam Ali Sadeqi, que assegurou não se tratar de um ato deliberado.

Este incidente ocorre num momento em que as tensões estão altas entre a Arábia Saudita e o seu principal rival regional, em particular sobre o conflito no Iêmen, onde Riad conduz uma campanha de ataques aéreos contra os rebeldes apoiados pelo Irã.

A minoria xiita na Arábia Saudita (maioria sunita) foi atingida no mês passado por dois atentados suicidas que mataram 25 pessoas no leste do país.

Os dois ataques foram reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

AFP