Navigation

Argentina recebe Putin de olho nos Brics e em cooperação nuclear

(Arquivo) A presidente argentina, Cristina Kirchner afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 22:58
(AFP)

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, receberá neste sábado o colega russo, Vladimir Putin, com o objetivo de estreitar os laços em matéria de cooperação nuclear e se aproximar dos BRICS, grupo que aspira a integrar, ao lado de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Putin chegará a Buenos Aires como parte de uma viagem à América Latina que incluiu Cuba e passará pelo Brasil, onde participará da reunião dos BRICS, no dia 15 de julho, em Fortaleza.

A Argentina participará, a convite de Putin, da reunião do grupo dos BRICS em Fortaleza.

Apesar da pretensão da Argentina de se tornar membro pleno do bloco, Putin foi cauteloso na quinta-feira, em Cuba, quando preferiu se pronunciar por "uma aliança estratégica" entre os BRICS e a Argentina.

Putin assinalou que "a questão de aumentar o número de membros dos BRICS não é considerada no momento. Primeiro é preciso otimizar todos os numerosos formatos da cooperação estabelecidos no grupo".

Após abordar este tema com Kirchner em Buenos Aires, Putin assistirá no domingo, no Maracanã, a partida da final da Copa do Mundo entre Argentina e Alemanha, para receber da presidente Dilma Rousseff a missão de organizar o próximo Mundial, em 2018.

A agenda argentina de Putin prevê apenas uma reunião com Kirchner na Casa Rosada, informaram fontes do governo à AFP.

Argentina e Rússia devem firmar, em Buenos Aires, acordos para promover projetos de cooperação nuclear com objetivos pacíficos.

Entre as possíveis parcerias, a Rússia poderia participar do projeto de construção da central nuclear Atucha III, estimado em 3 bilhões de dólares, no norte da província de Buenos Aires.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.