Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vírus da febre chikungunya

(afp_tickers)

O governo argentino anunciou nesta terça-feira que foram detectados no país quatro pacientes suspeito de ter o vírus da febre chikungunya, após terem viajado recentemente para a República Dominicana, e destacou que todos eles gozam de boa saúde e estão isolados.

"Foram detectadas na Argentina nas últimas semanas dois casos prováveis de pacientes com vírus chikungunya, com uma primeira confirmação de laboratório e outros dois suspeitos que ainda não passaram pelo laboratório", disse o chefe de gabinete, Jorge Capitanich, em sua coletiva de imprensa habitual.

Segundo o coordenador de ministros, são "casos importados e coincidem em que os quatro são pessoas que viajaram à República Dominicana".

Ele disse que "o vírus não circula na Argentina".

Os pacientes estão "em bom estado de saúde e recuperando-se em seus lares", segundo um informe do ministério da Saúde, citado por Capitanich.

"Os casos foram detectados a tempo e foram feitos os bloqueios dos focos nas zonas residenciais e o isolamento dos pacientes em suas casas", disse o funcionário.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou em julho que a situação epidemiológica da febre chikungunya nas Américas era "grave", quando já superavam os 5.000 doentes.

Não há vacina, nem remédio para tratar o vírus, transmitido geralmente pelos mosquitos "Aedes aegypti" e "Aedes albopictus", duas espécies que também podem hospedar outros vírus, como o da dengue.

A chikungunya - cujos sintomas incluem febre, dores de cabeça, musculares e articulares - não costuma ser fatal, mas pode causar complicações em crianças pequenas, idosos ou pessoas com doenças crônicas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP