Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente argentina, Cristina Kirchner, em Buenos Aires, no dia 21 de maio de 2015

(afp_tickers)

A espada que pertenceu ao general José de San Martín, chefe das campanhas libertadoras da Argentina, Chile e Peru, foi levada neste domingo ao Museu Histórico, no marco das comemorações em Buenos Aires pela Revolução de Maio de 1810.

A presidente Cristina Kirchner, que neste ano cumpre seu segundo e último mandato, depositou a espada em um aquário de vidro, após um desfile da arma em uma carruagem militar por avenidas cheias de pessoas com bandeiras, segundo imagens da TV em cadeia nacional.

San Martín foi comandante na guerra pela independência da coroa da Espanha e na segunda década do seculo XIX liderou uma memorável cruzada na Cordilheira dos Andes com suas tropas que derrotaram os realistas no Chile.

Empreendeu depois com seu exército uma viagem pelo mar rumo a Lima, onde conseguiu com o apoio da população proclamar a independência do Peru. O comando de seus soldados cedeu depois ao libertador Simón Bolívar.

A espada, comprada em Londres em 1811, foi retirada do Museu e guardada 48 anos no Regimento de Granaderos por ordem do então ditador Juan Carlos Onganía (1966-1970).

Kirchner protagonizará na segunda-feira na histórica Praça de Maio uma enorme celebração do primeiro gesto patriótico revolucionário de 25 de maio de 1810.

AFP