Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O navio dinamarquês Ark Futura (d), ancorado próximo ao navio militar "Cape Ray", no porto italiano de Gioia Tauro, em 2 de julho de 2014.

(afp_tickers)

Todos os elementos suscetíveis de serem usados para fabricar armas químicas entregues pelo regime sírio de Bashar Al-Assad foram "neutralizados" a bordo do navio militar "Cape Ray", anunciou o Pentágono nesta segunda-feira.

Depois de um telefonema ao capitão do "Cape Ray", o secretário americano da Defesa, Chuck Hagel, confirmou a "neutralização, no mar, dos elementos químicos mais perigosos que a Síria armazenava" e que incluíam material para produzir gás mostarda e sarin.

Hagel qualificou a destruição como "uma contribuição à segurança do planeta".

O presidente americano, Barack Obama, comemorou a destruição das armas e advertiu que os Estados Unidos "vão garantir que a Síria mantenha seu compromisso de destruir as instalações que faltam, destinadas a produzir suas armas químicas".

Obama manifestou sua preocupação com as "divergências" e "omissões" nas declarações que a Síria realizou à Organização Internacional para as Armas Químicas (OIAC) e com os relatórios que apontam que armas químicas "ainda são utilizadas" pelo regime sírio contra a rebelião armada".

O secretário americano de Estado, John Kerry, destacou que os Estados Unidos "continuarão fornecendo ajuda política e financeira à oposição moderada" a Bashar al Assad.

As últimas armas químicas que Damasco dizia possuir foram entregues no final de junho.

A Síria retirou o total de 1.300 toneladas de agentes químicos, com base no acordo russo-americano que permitiu evitar uma intervenção militar dos Estados Unidos após Damasco ser acusada de utilizar gás sarin em um ataque que deixou 1.400 mortos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP