Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Instalação de Bianca Lee Vásquez, artista cubana de origem equatoriana, parte da mostra Carré Latin no jardim do Palácio Real em Paris, no dia 18 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Flanar nestes dias no emblemático Palácio Real de Paris permite fazer uma viagem pela América Latina através de sua arte contemporânea. Trata-se de um evento organizado por uma curadora venezuelana, que abriu, assim, uma janela inédita aos artistas da região.

"Paris é o maior centro de promoção de artistas do mundo", afirma a curadora Leonor Parra, enquanto caminha por este conjunto monumental do século XVII, com um belo jardim e elegantes pórticos, junto ao museu do Louvre.

Nas lojas de moda, joalherias e seletos restaurantes das galerias, Parra apresenta "Carré Latin", a primeira manifestação de arte contemporânea latino-americana à margem da FIAC, a prestigiosa feira parisiense que atrai colecionadores e galeristas do mundo inteiro.

"Até agora, coincidindo com a FIAC, existiam iniciativas para artistas asiáticos, africanos... mas nada para a América Latina", reivindica Parra, arquiteta de formação, que chegou a Paris em 2012.

No total, 32 artistas expõem e vendem suas obras - pinturas, esculturas, fotografias, etc. - nas fachadas do Palácio Real, entre eles o argentino Antonio Asís, o venezuelano Julio Pacheco Rivas, a peruana Cristina Colichón e o boliviano Gastón Ugalde.

Muitos deles fazem parte de uma geração "muito sólida" de artistas, mas "são desconhecidos fora do continente", devido à falta de vitrines como a do "Carré Latin", explica Parra, que cita a notória exceção da Arco, a feira de arte contemporânea de Madri.

- O essencial: os contatos -

Embora Parra tenha se lançado praticamente sozinha nesta iniciativa, ela contava com o essencial: os contatos de artistas e colecionadores na América Latina, que começou a conhecer quando trabalhava em Caracas como arquiteta de interiores e assessorava seus clientes em termos de arte.

Já em Paris, foi estendendo seu círculo com galeristas e outros agentes do mercado, até lançar, em 2016, a primeira edição de "Carré Latin", realizada em uma galeria. Este ano, deu mais um passo ao organizar o evento em um dos lugares mais visitados da capital francesa.

A Venezuela é o principal país exposto no Palácio Real, mas há artistas de quase toda a América Latina.

Ugalde, conhecido como o "enfant terrible" na cena artística boliviana, encheu uma fachada com 300 bolas de futebol revestidas com coloridos tecidos indígenas; o colombiano Paulo Castro expôs uma "tensopintura" - um conjunto de tecidos sintéticos pintados à mão sobre armações -, e a venezuelana Inés Silva apresentou uma torre de acrílico que brinca com a ilusão ótica.

A mostra inclui "performances" e instalações, como a da artista de origem cubano-equatoriana Bianca Lee Vasquez, que atou a alameda de tílias do jardim com uma fita branca, formando um entrelaçado que representa as raízes do ser humano na natureza.

- Arte "nacionalista" -

A maioria das obras, expostas durante 10 dias, até 26 de outubro, são vendidas por entre 300 e 5.000 euros (350 e 5.800 dólares), mas algumas podem custar mais. Parra prevê que a maioria dos compradores será de latino-americanos.

"Apesar de um mundo globalizado, a arte continua sendo muito nacionalista: os franceses compram obras de franceses, e os latino-americanos, de latino-americanos", resume.

O "Carré Latin" também conta com uma versão mais restrita - em um espaço privado -, em Bruxelas, e no ano que vem chegará a Madri.

"A ideia é organizar quatro eventos por ano na Europa para atrair colecionadores e promover os artistas, mas o de Paris será o mais importante, porque é público".

Entusiasmada, reconhece que nunca pensou que a iniciativa "cresceria no ritmo que está crescendo". "Ainda tenho obras no porão" que não consegui expor este ano, diz.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP