Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Decol conversa com um jovem visitante do zoológico

(afp_tickers)

Um homem se exibe como uma atração do zoológico de Besanzón (leste da França) até o próximo dia 16, uma iniciativa artística destinada a fazer o ser humano refletir sobre sua relação com os animais.

Instalada a dois passos da jaula dos macacos, a mais nova atração do jardim zoológico propõe aos visitantes observar durante 10 horas por dia o cotidiano de um Homo sapiens em suas ocupações habituais.

Vestido com roupa de estilo colonial, o ator e mímico Laurent Decol, de 62 anos, encarna este homem ocidental que caminha, realiza atividades e descansa. Diferentemente dos animais, também tira fotos e consulta seus e-mails.

O ator também optou por reproduzir o meio natural deste homem que vive em um espaço com uma cama, um mosquiteiro, uma lâmpada, uma televisão, uma mesa e cadeiras.

"Cada dia há um tema, e fala-se, por exemplo, de biodiversidade, das condições de vida dos animais ou da televisão. Trouxe seus objetos pessoais. Se as pessoas se aproximam, pode compartilhar suas experiências, abordar facetas do ser humano", declarou à AFP Justine Lemonnier, encarregada da comunicação do bairro Citadelle de Besanzón.

Este ex-diretor de teatro e aluno do mímico Marceau diz ser curioso e filósofo por natureza, e afirma ter se inspirado na obra do escritor britânico David Garnett "A Man in the Zoo" ("Um Homem no Zoológico").

Neste romance dos anos 20, um homem se muda para um zoológico e se instala ao lado de um orangotango e de um chimpanzé.

AFP