Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pela agência de notícias oficial da Síria (Sana) em 20 de agosto de 2017 mostra o presidente sírio, Bashar al-assad, durante discurso aos membros diplomáticos do país

(afp_tickers)

Os países que quiserem reabrir suas embaixadas em Damasco ou cooperar com o governo sírio devem romper toda a relação com os rebeldes, afirmou neste domingo o presidente sírio, Bashar al-Assad.

"Não haverá cooperação de segurança, abertura de embaixadas ou papel para alguns Estados que dizem querer encontrar uma saída [à guerra na Síria] enquanto não romperem suas relações de maneira explícita com o terrorismo", afirmou Assad em discurso diante dos membros do corpo diplomático sírio, retransmitido pela emissora estatal.

Damasco usa o termo "terroristas" para designar rebeldes e extremistas.

"Não estamos isolados como eles acreditam, é a sua arrogância que os leva a pensar desta maneira", acrescentou.

Estados Unidos e a maioria dos países europeus fecharam as suas embaixadas em Damasco depois da violenta repressão em 2011 das manifestações contra o governo, que se transformaram em uma guerra civil que deixou até agora mais de 330.000 mortos em seis anos.

"Fizemos fracassar os planos ocidentais [contra a Síria], mas isto não quer dizer que tenhamos vencido, a batalha continua", indicou Assad em referência à continuação dos combates em várias frentes na Síria.

Também atacou diretamente o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, um dos principais apoios regionais da rebelião síria e ex-aliado de Damasco antes da guerra.

"Não consideramos a parte turca como sócia ou garantidora, não confiamos nela", indicou Assad.

Embora Rússia e Irã estejam de um lado, e a Turquia de outro, os três países cooperaram para tentar resolver o problema sírio, especialmente durante as negociações em Astana.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP