Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Nasa) O astronauta americano Jeff Williams, no dia 24 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O astronauta americano Jeff Williams, de 58 anos, quebrou na quarta-feira o recorde de dias acumulados no espaço, que pertencia ao seu colega aposentado da Nasa Scott Kelly, disse a agência espacial dos Estados Unidos.

Em 24 de agosto, Williams ultrapassou os 520 dias de Kelly no espaço.

Quando o astronauta retornar à Terra, em 6 de setembro, terá computados 534 dias no espaço ao longo de sua carreira, mais do que qualquer astronauta americano.

O russo Gennady Padalka ainda detém o recorde mundial de dias acumulados no espaço, com 879.

Williams foi enviado ao espaço pela primeira vez em 2000, a bordo do ônibus espacial Atlantis.

Ele regressou à Estação Espacial Internacional em 2006, quando esta era muito menor, com apenas dois módulos e três membros da tripulação. Hoje, é composta por seis astronautas e cosmonautas e tem o tamanho de um campo de futebol.

"Em 2009 e 2010, ele atuou como engenheiro de voo na Expedição 21 e comandou a Expedição 22, quando o módulo Tranquility e a cúpula foram adicionados à estação", disse a Nasa.

Na sua missão atual, Williams está usando a sua experiência com passeios espaciais.

O astronauta saiu para a quarta caminhada espacial da sua carreira em 19 de agosto para ajudar a instalar uma vaga de estacionamento para os futuros táxis espaciais, junto com a engenheira de voo da Nasa Kate Rubins.

Ambos farão mais uma caminhada espacial juntos em 1 de setembro para mover uma peça de equipamento no exterior da Estação Espacial Internacional, que orbita a Terra.

Williams nasceu no estado de Wisconsin, é casado e tem dois filhos adultos e três netos, de acordo com o seu perfil na Nasa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP