Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Nasa) O módulo experimental de tecido BEAM, na Estação Espacial Internacional (ISS), no dia 28 de maio de 2016

(afp_tickers)

Um astronauta da Estação Espacial Internacional (ISS), o americano Jeff Williams, entrou pela primeira vez, esta segunda-feira, no módulo experimental de tecido BEAM, inflado no fim de maio para testar uma plataforma habitável mais barata que possa ser usada em viagens longas ao espaço.

O Módulo de Atividade Expansível Bigelow (BEAM) está em "perfeito estado", informou o astronauta, segundo um comunicado da agência espacial americana (Nasa).

Este módulo faz parte de um projeto da Nasa para testar durante dois anos hábitats infláveis mais leves e menos volumosos, que poderiam um dia ser utilizados em Marte ou na Lua.

Jeff Williams abriu a porta do módulo na segunda-feira às 04h47 na costa leste (05h47 em Brasília) para coletar dados dos sensores e amostras de ar, além de verificar os condutos de ar.

Williams informou que fazia frio no interior do módulo e que não havia condensação.

Os astronautas que estão atualmente na ISS voltarão ao módulo antes de quarta-feira para testar os sensores e o material, afirmou a Nasa.

A porta do módulo, que foi acoplada à estação em abril, será fechada após cada visita.

Durante esses dois anos de testes, os astronautas revelarão dados e medições dos sensores e avaliarão regularmente o estado do módulo.

Esses testes permitirão determinar se o módulo pode oferecer proteção contra as radiações solares e cósmicas, assim como contra os micrometeoritos, os detritos espaciais e as temperaturas extremas.

"Os primeiros passos no BEAM vão levar além das fronteiras dos hábitats no espaço", publicou a ISS no Twitter antes da visita.

Em 28 de maio, a Nasa conseguiu inflar e pressurizar o módulo, após o fracasso de uma primeira tentativa, feita alguns dias antes.

Com o módulo já inflado, Williams abriu oito depósitos de ar no seu interior, levando a pressurização a um nível próximo ao da ISS.

Com uma massa de 1,4 toneladas, o BEAM mede cerca de quatro metros de largura por 3,23 metros de comprimento quando está completamente inflado com ar respirável, de modo que seu volume atinge 16 metros cúbicos, o equivalente a um quarto pequeno.

A empresa Bigelow Aerospace construiu este módulo após assinar um contrato no valor de 17,8 milhões de dólares com a Nasa.

AFP