Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Drone americano voa sobre território do Iêmen, em junho de 2017

(afp_tickers)

Seis supostos membros da organização Al Qaeda, entre eles um líder, morreram no Iêmen após um ataque com drone, provavelmente americano, na última investida registrada até o momento contra a rede extremista nesse país em guerra, segundo informações dadas por autoridades locais nesta sexta-feira (20).

O ataque, ocorrido em Sumaa, na província de Abyane, aconteceu na quinta-feira à noite contra um veículo no qual estavam os membros do grupo extremista que acabaram morrendo, informou à AFP uma autoridade local, que pediu para ter sua identidade preservada.

Outra autoridade destacou que o ataque teve como alvo um emir local da Al Qaeda, que teve o corpo carbonizado.

Muito bem estabelecida no Iêmen, a rede extremista se beneficiou do caos provocado pelo conflito entre o governo e os rebeldes huthis para ampliar sua influência, principalmente no sul do país.

A Al Qaeda é alvo de muitos ataques com drones, em sua maioria atribuídos aos Estados Unidos. Também sofre ataques de forças terrestres pertencentes a uma unidade treinada pelos Emirados Árabes Unidos, membro da coalizão liderada pela Arábia Saudita, que ajuda militarmente o poder iemenita contra os rebeldes.

A Al Qaeda na Península Arábica (AQPA), que reúne extremistas do Iêmen e da Arábia Saudita, é considerada por Washington como o mais perigoso braço da rede em nível mundial.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI), rival da Al Qaeda, também se implantou no Iêmen no início do conflito que afeta o país há dois anos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP