Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma imagem divulgada pela mídia jihadista mostra supostos membros do grupo Estado Islâmico (EI) alvejando soldados do regime sírio, na cidade de Raqa.

(afp_tickers)

Pelo menos 38 pessoas morreram em um ataque dos jihadistas a uma base militar na província de Raqa, norte da Síria, informou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Três jihadistas do Estado Islâmico (EI) detonaram explosivos no início do ataque contra a base da Brigada 93 nesta província, na qual o EI controla a capital e grande parte do território.

Após as explosões, combates intensos foram registrados entre jihadistas e militares sírios, segundo o OSDH.

Vinte e sete membros das forças do regime de Bashar al-Assad morreram, assim como 11 jihadistas.

"Os combatentes do EI controlam partes importantes da base", segundo a ONG.

A Brigada 93 e o aeroporto militar de Tabaqa são as últimas posições que o exército sírio conserva na província de Raqa.

O EI, que controla grande parte das províncias de Deir Ezor e Raqa, nas regiões norte e leste da Síria, iniciou em 9 de junho uma ofensiva no Iraque e assumiu o controle de amplos territórios do norte e centro deste país.

No fim de junho, o EI proclamou um "califado" nos territórios que controla, da cidade síria de Aleppo, ao norte, à província iraquiana de Diyalah, ao leste.

Desde o início da revolta contra o regime de Assad, em março de 2011, que virou um complexo e devastador conflito, a violência provocou mais de 170.000 mortos e obrigou metade dos moradores da Síria a fugir de suas casas.

AFP