Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cabul sofreu vários atentados destes tipos contra lugares de culto xiita, sendo que o mais recente havia ocorrido em 19 de setembro, deixando seis mortos

(afp_tickers)

Quase 60 pessoas pessoas morreram nesta sexta-feira (20) em dois atentados contra mesquitas no Afeganistão, uma xiita em Cabul e outra sunita no centro do país, encerrando uma semana particularmente violenta.

Segundo o último balanço fornecido pelo ministério do Interior, ao menos 39 pessoas foram mortas e mais de 45 ficaram feridas em um ataque suicida em Cabul, quando um homem armado chegou a pé no momento da oração e abriu fogo contra a multidão de fiéis antes de acionar seu explosivo, segundo informações dos serviços de segurança.

"Infelizmente um suicida explodiu a si mesmo entre os fiéis dentro da mesquita de Dasht-e-Barchi", afirmou o porta-voz da polícia local, Abdul Bassir Mujahid.

O ataque ainda não foi reivindicado.

Cabul tem sido alvo de vários atentados desse tipo contra lugares de culto xiita, sendo que o mais recente ocorreu em 19 de setembro e deixou seis mortos.

No mesmo momento, na cidade de Ghor, no centro do país, um outro atentado suicida em uma mesquita sunita deixou ao menos 20 mortos, segundo o porta-voz do ministério do Interior, Najib Danish.

O governador do distrito onde ocorreu o ataque, Mohsen Danishyar, forneceu um balanço de 30 mortos, mas excluiu que tenha sido um ataque sectário e afirmou que o objetivo era um comandante da polícia.

Em Cabul, onde o número de vítimas não parou de aumentar ao longo da tarde, pelo menos 39 mortos e 45 feridos foram identificados na mesquita Imam Zaman, de acordo com Najib Danish.

"Eu estava na sala de ablução quando ouvi uma grande explosão, entrei na mesquita e vi todas essas pessoas sangrando", relatou uma testemunha, Hussain Ali, descrevendo cenas de caos.

"Em todo lugar ao meu redor pessoas fugiam. Eu tentei detê-las para que pudéssemos ajudar os feridos, mas todos estavam em pânico. Demorou quase uma hora para que as ambulâncias e policiais chegassem no local", lamentou esta testemunha.

Os corpos das vítimas estavam deitados no chão da mesquita e cobertos com um tecido preto.

- Semana mortal -

A imprensa local exibiu imagens de ambulâncias apressando-se e uma multidão densa que cruzava a rua perto da cena do ataque, cercada por um cordão policial.

Apesar de o ataque desta sexta-feira ainda não ter sido reivindicado, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) é o principal suspeito. Formado por extremistas sunitas e presentes no Afeganistão desde 2015, o movimento reivindicou a maioria dos atentados contra a comunidade xiita no país, geralmente cometidos durante grandes encontros para a oração.

Esta série de ataques forçou as autoridades, junto com líderes religiosos, a fortalecer a proteção das mesquitas xiitas durante as celebrações e eventos religiosos.

Por ocasião da Ashura, principal festa do calendário xiita, civis armados ajudaram as forças policiais a bloquear quaisquer intrusões suspeitas em locais de culto no início do mês.

Os ataques de Cabul e Ghor acontecem ao final de uma semana particularmente mortal no Afeganistão, com três grandes atentados na terça e quinta-feira contra bases ou locais dos serviços de segurança.

Ao final de uma campanha de primavera, lançada no final de abril, sem ganhos territoriais ou vitórias militares, os talibãs aumentaram sua pressão, matando mais de 120 e ferindo mais de 230 pessoas, de acordo com relatórios oficiais, entre soldados e policiais afegãos, cujos complexos foram atacados no sudeste e no sul do país por veículos repletos de explosivos.

Os insurgentes disseram que reagiriam assim aos ataques americanos contra suas posições e ao anúncio do envio de reforços dos Estados Unidos, que irão implantar cerca de 3.000 homens, além dos 11 mil já presentes no país.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP