Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carro passa por rua destruída nos arredores de Deir Ezzor, em 24 de setembro de 2017

(afp_tickers)

Ao menos 73 membros das forças do regime sírio morreram na quinta-feira em uma série de ataques do grupo Estado Islâmico (EI) contra postos de controle na província central de Homs, informou nesta sexta-feira a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O EI, encurralado em todas as frentes, reivindicou a ofensiva em um comunicado e afirmou que vários combatentes atacaram as posições governamentais ao sul da cidade de Al-Sukhna, no deserto sírio, o que deixou dezenas de mortos entre os militares e milicianos.

Os ataques coincidiram com a divulgação do áudio do líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, no qual ele pede a seus combatentes, perto da derrota total no Iraque, que resistam e aumentem os ataques contra os inimigos.

"Os primeiros ataques atingiram postos de controle das tropas governamentais em Chola", uma localidade próxima à cidade de Deir Ezzor, leste da Síria, informou o OSDH.

O Estado Islâmico sofreu derrotas importantes nas últimas semanas em Deir Ezzor e na província de mesmo nome, a última que controla na Síria.

A organização extremista está cercada por duas ofensivas simultâneas, uma das forças governamentais sírias apoiadas pela Rússia e outra das forças curdas respaldadas pelos Estados Unidos.

"Depois o EI executou uma série de ataques contra postos de controle ao longo de uma estrada que vai de Chola até o sul de Al-Sukhna", afirmou o OSDH.

A estrada atravessa a zona desértica da Síria conhecida como Badiya, que inclui várias províncias.

Com o apoio da aviação russa, o exército sírio e as milícias pró-governo expulsaram o EI da maior parte de Badiya, com exceção de algumas zonas isoladas das províncias de Homs e Deir Ezzor.

Na quinta-feira, Abu Bakr al-Baghdadi convocou os combatentes do EI e disse que eles devem "ser pacientes e resistir ante os infiéis", em referência aos vários países que lutam contra o grupo no Iraque e na Síria.

Apesar das derrotas nos últimos meses, o EI consegue executar ataques esporádicos no Iraque e na Síria, além de organizar atentados na Europa.

Desde 2011, a guerra na Síria matou mais de 330.000 pessoas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP