Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto tirada em 15 de outubro de 2017 mostra vista geral da explosão de um caminhão-bomba no centro de Mogadíscio

(afp_tickers)

Ao menos 137 pessoas morreram e 300 ficaram feridas no atentado com um caminhão-bomba no sábado em Mogadíscio, capital da Somália, o aatque mais violento da história do país.

"Recebemos diferentes números dos centros médicos, mas até o momento confirmamos 137 mortos, em sua maioria carbonizados, a um ponto que são irreconhecíveis", disse o comandante policial Ibrahim Mohamed.

"O balanço de mortos pode aumentar porque há mais de 300 feridos, alguns deles em estado grave", completou o policial.

"É muito difícil ter um número preciso porque os corpos dos mortos foram levados para diferentes centros médicos, e alguns foram retirados diretamente por seus parentes para o enterro", disse Mohamed, que considera este o "pior atentado" na história da Somália.

O ataque com caminhão-bomba aconteceu no sábado à tarde em um cruzamento movimentado do distrito comercial de Hodan, que abriga muitas empresas e hotéis.

"O que vi nos hospitais que visitei é indescritível. Continuamos encontrando corpos e peço a todos que ajudem. As pessoas estão em uma situação difícil", declarou o prefeito de Mogadíscio, Tabid Abdi Mohamed.

O presidente somali, Mohamed Abdullahi Mohamed, visitou neste domingo o hospital Erdogan, onde os médicos afirmaram que receberam 205 pessoas, mais de 100 delas com ferimentos graves.

Abdullahi Mohamed decretou três dias de luto após o ataque, considerado o mais grave na história da Somália.

"Um ataque horrível cometido pelos shebab contra civis inocentes, que não estava dirigido contra autoridades do governo somali. Isto mostra a falta de piedade destes elementos violentos, atacar sem distinção pessoas inocentes", afirmou o presidente em um discurso.

A explosão aconteceu diante do Safari Hotel, um estabelecimento popular, mas que não é utilizado com frequência por funcionários do governo. As autoridades ainda não sabem se o alvo era o hotel.

Os shebab já atacaram hotéis onde funcionários do governo estavam hospedados.

Nenhum grupo reivindicou o ataque até o momento, mas os rebeldes shebab, embrião da Al-Qaeda, executam com frequência ataques suicidas na capital e em outras cidades em sua luta contra o governo somali, que é respaldado pela comunidade internacional.

Os shebab querem derrubar o frágil governo central somali, apoiado pela comunidade internacional e por 22.000 soldados da União Africana (UA).

Eles foram foram expulsos da capital da Somália há seis anos por tropas somalis e da UA. Com o passar dos anos perderam o controle das principais localidades do sul da Somália.

Mas os rebeldes continuam controlando as zonas rurais e executam ataques contra os militares, o governo e alvos civis, assim como ataques terroristas no Quênia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP