AFP

O presidente americano, Donald Trump, em Jerusalém, em 22 de maio de 2017

(afp_tickers)

O presidente americano, Donald Trump, criticou nesta sexta-feira (26) o ataque contra cristãos coptas no Egito, o qual deixou pelo menos 28 mortos, e pediu a seus aliados que se unam para derrotar o terrorismo.

"O derramamento de sangue cristão deve parar, e todos que ajudam os autores dessas mortes devem ser castigados", afirmou, em nota divulgada por sua assessoria.

"Os terroristas empreenderam uma guerra contra a Civilização, e todos aqueles que valorizam a vida devem enfrentar e derrotar esse demônio", acrescenta a nota.

Os cristãos voltaram a ser alvo de violência no Egito, onde pelo menos 28 pessoas, incluindo muitas crianças, morreram nesta sexta-feira em um ataque de homens armados e encapuzados contra o ônibus que os levava a um mosteiro copta.

O ataque, na província de Minia, coincide com a ofensiva lançada há meses pelo braço egípcio do grupo extremista Estado Islâmico (EI) contra a minoria copta no Egito.

"Esta impiedosa matança de cristãos no Egito leva lágrimas aos nossos corações e lástima a nossas almas", afirmou Trump, que se reuniu com o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, na cúpula de Riad esta semana.

"Onde quer que se derrame sangue inocente, se infringe uma ferida à humanidade. Mas este ataque também fortalece nossa determinação de unir as nações com o objetivo correto de esmagar as diabólicas organizações terroristas e expor sua ideologia depravada, distorcida e agressiva", acrescentou.

O Egito atacou um campo de treinamento extremista em represália ao atentado, anunciou nesta sexta-feira o presidente Al Sisi, que prometeu que seu governo não hesitará em agir "fora del país".

AFP

 AFP