Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial monta guarda perto do local do ataque

(afp_tickers)

Ao menos três pessoas, entre elas um policial, morreram e cinco ficaram feridas nesta quarta-feira no ataque de um homem-bomba perto de um estádio de críquete de Cabul, anunciou a polícia.

O homem-bomba se dirigia para o estádio quando foi interceptado pela polícia no primeiro dos três pontos de controle que levam ao local. Então acionou sua carga.

O atentado foi reivindicado pela facção do grupo Estado Islâmico (EI) na província de Khorasan, segundo o SITE, grupo americano que monitora a atividade extremista na internet.

"Com seu sacrifício, as forças de segurança impediram o agressor de chegar até a multidão (dentro do estádio) e provocar uma catástrofe", declarou à AFP o porta-voz da polícia, Basir Mujahid.

Dois dos feridos também são policiais.

O ataque aconteceu quando se celebrava uma partida de críquete no interior do estádio, segundo um porta-voz da Federação Afegã de Críquete.

A partida foi brevemente interrompida, acrescentou, afirmando que "todos os jogadores e funcionários da federação passam bem".

Várias ambulâncias foram mobilizadas para o transporte dos feridos para o hospital.

O último atentado na capital afegã remonta ao dia 29 de agosto, quando cinco pessoas foram mortas e outras oito feridas em um atentado suicida perto de uma agência bancária no centro da cidade. Foi reivindicado pelos talibãs.

O críquete foi proibido no Afeganistão durante o regime talibã, entre 1996 e 2001, mas o esporte ressurgiu com força nos últimos anos.

Este novo ataque ocorreu poucas horas depois da chegada de oito afegãos repatriados da Alemanha, como parte de um controverso acordo de imigração entre a União Europeia e o Afeganistão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP