Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas durante vigília na Universidade de Las Vegas após atirador matar 58 pessoas e ferir mais de 100

(afp_tickers)

O atirador de Las Vegas, que executou o maior massacre com arma de fogo da história recente dos Estados Unidos, também considerou a possibilidade de ir a Chicago e Boston, relatou a imprensa americana nesta quinta-feira.

Em agosto, Stephen Paddock reservou dois quartos durante o festival Lollapalooza no hotel Blackstone, em Chicago, que tem vista para o grande parque do centro da cidade, onde o famoso evento ocorreu, de acordo com o site TMZ e NBC News.

O apostador e contador aposentado de 64 anos também procurou por hotéis próximos ao estádio de beisebol Fenway Park, em Boston, mas não houve indícios de que tivesse viajado à cidade, relatou a NBC News, citando funcionários de alto escalão.

As autoridades descobriram o interesse de Paddock nessas duas cidades ao examinar sua comunicação e equipamentos eletrônicos, declarou a NBC News.

Milhares de pessoas foram ao Lollapalooza, no Grant Park, incluindo Malia Obama, filha do ex-presidente Barack Obama.

Segundo a imprensa, Paddock nunca apareceu para sua reserva em Chicago, mas o período de 2 a 5 de agosto poderia ter dado a ele uma oportunidade similar à do festival na Las Vegas Strip no domingo.

Mais de 500 pessoas ficaram feridas e 58 morreram quando Paddock atirou da janela de um hotel na direção da multidão que participava de um show de música country.

Investigadores declararam que o ataque foi meticulosamente planejado.

As notícias sobre a conexão com Chicago levaram os oficiais a reforçar a segurança de uma maratona que acontecerá no fim de semana, e onde são esperados mais de um milhão de espectadores e cerca de 40.000 participantes.

"Estamos constantemente revisando e fazendo perguntas fundamentais", disse o prefeito Rahm Emanuel, acrescentando que a maratona ocorrerá como o planejado.

O Departamento de Polícia enviou mais de 1.000 agentes para a mobilização de segurança da maratona.

"Uma das coisas que estamos fazendo é colocar um número significativo de oficiais à paisana", afirmou Anthony Riccio, chefe do Departamento de Crime Organizado da Polícia de Chicago.

"Eles estarão misturados na multidão. Estarão próximos aos corredores", declarou Riccio.

O Lollapalooza e a empresa que gere o hotel Blackstone não responderam os pedidos de comentários.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP