Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(1987) A atriz francesa Danielle Darrieux

(afp_tickers)

A atriz francesa Danielle Darrieux morreu nesta terça-feira, aos 100 anos, depois de participar de mais de uma centena de filmes, com frequência interpretando personagens elegantes.

O estado de saúde "havia deteriorado um pouco recentemente após uma queda", afirmou à AFP seu companheiro, Jacques Jenvrin.

A atriz morreu em casa, no noroeste da França.

Arquétipo da beleza de sua geração, loura e delicada, teve um início de carreira precoce e aos 14 anos participou de "Semente do Mal", do diretor Billy Wilder.

Ela trabalhou em Hollywood e na Broadway nos anos 1930 e foi aclamada pelo filme romântico "A Sensação de Paris", de 1938.

Durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou durante a ocupação nazista da França, inclusive para o estúdio Continental, dirigido pelos alemãs, o que a levou a ser chamada de colaboracionista.

Apesar disso, após a libertação da França pelos aliados, Darrieux continuou emplacando sucessos, especialmente sob a direção do cineasta francês Max Ophuls, em filmes como "O Prazer" e "Conflitos de Amor".

Também participou em "Cinco Dedos", de Joseph Mankiewicz, e interpretou a rainha da Espanha em "Entre o Amor e o Trono", de Jean Cocteau. Também integrou o elenco de "Duas Garotas Românticas", de Jacques Demy.

Mais recentemente apareceu em "8 Mulheres", de François Ozon, e em 2007 emprestou sua voz para a animação "Persepolis", indicada ao Oscar.

Darrieux se casou três vezes, com o cineasta Henri Decoin, o milionário Porfirio Rubirosa e o roteirista Georges Mitsinkidès, que faleceu nos anos 1990. Com este último, adotou um filho, que morreu pouco depois do marido.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP