Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O produtor cinematográfico Harvey Weinstein enfrenta uma enxurrada de denúncias de abuso sexual

(afp_tickers)

A atriz Dominique Huett abriu um processo nesta terça-feira contra a produtora The Weinstein Company (TWC) pelos abusos sexuais que sofreu de Harvey Weinstein, acusando a empresa de permitir o comportamento de seu fundador.

No processo, Dominique Huett afirma que conheceu o produtor cinematográfico no Hotel Península de Beverly Hills em novembro de 2010, onde se reuniu com Weinstein para falar sobre sua carreira.

A atriz, que apareceu em 2015 em um episódio da série "Blue Bloods", afirma que Weinstein a levou para um quarto do hotel e pediu que fizesse uma massagem.

Huett revela que negou a massagem, a princípio, mas acabou cedendo diante da insistência do produtor, segundo a ação apresentada a um tribunal de Los Angeles.

A atriz afirma ainda que o produtor fez sexo oral e "depois se masturbou" diante dela "até atingir o orgasmo".

Segundo Huett, a TWC agiu em cumplicidade com o produtor, por permitir durante anos seus "repetidos atos sexuais contra mulheres".

TWC "sabia que Weinstein usava seu poder para coagir e forçar jovens atrizes a manter relações sexuais com ele", destaca a denúncia.

A ação afirma que a cúpula da TWC, incluindo Bob Weinstein, irmão de Harvey, "estava a par dos múltiplos casos de má conduta sexual" do produtor, e agiu "para resolver a situação com as vítimas antes que apresentassem denúncia".

Quase cinquenta mulheres já denunciaram publicamente Weinstein desde o início de outubro por assédio ou agressão sexual, incluindo as atrizes Angelina Jolie, Ashley Judd e Rose McGowan.

O produtor nega as acusações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP