Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Parte de um grupo de mais de 1700 imigrantes ilegais aguardam após desembarcarem do navio militar italiano "San Giusto", em 11 de agosto de 2014.

(afp_tickers)

O número de imigrantes que cruzam o Mediterrâneo a partir da costa da Líbia para a Itália aumentou excepcionalmente no primeiro semestre de 2014, quebrando o recorde da "Primavera Árabe" de 2011, informou nesta terça-feira a agência europeia para a gestão das fronteiras Frontex.

De acordo com esta agência, com sede em Varsóvia, o número de imigrantes e refugiados que chegam pelo Mediterrâneo à Itália e Malta, aumentou em 500% nos primeiros sete meses do ano em relação ao mesmo período de 2013.

Os eritreus e sírios são a maioria destes refugiados, mas também há malinenses e sudaneses, segundo a porta-voz da Frontex, Izabella Cooper.

"A Líbia está muito instável neste momento, o que significa que as redes clandestinas de tráfico humano estão florescendo", disse à AFP.

A Frontex registrou no período de janeiro a julho 78.300 imigrantes, em comparação com os 12.915 no mesmo período do ano passado. Esse número é maior do que os 64.300 que chegaram à região durante a "Primavera Árabe" em 2011.

O número crescente de imigrantes que chegam à Itália e a Grécia ou Bulgária a partir da Turquia também tem provocado fortes tensões na União Europeia.

AFP