Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carro afunda na lama, um dia depois dos deslizamentos.

(afp_tickers)

O registro de desaparecidos nos deslizamentos de terra na cidade japonesa de Hiroshima aumentou nesta quinta-feira para 43, em uma tragédia que deixou, até o momento, 39 mortos.

Um registro anterior indicava 39 mortos e 26 desaparecidos nesta cidade do sudoeste do país.

"Ainda há muitos desaparecidos", lamentou o primeiro-ministro, Shinzo Abe. "Ordenei que todos os meios sejam utilizados para encontrá-los o mais rápido possível e para ajudar os refugiados", acrescentou.

Mas os trabalhos de busca foram suspensos na noite desta quinta-feira devido a novas chuvas.

Cerca de 2.500 bombeiros, policiais e soldados foram enviados durante o dia para o local, mais de 36 horas depois da tragédia.

"Há previsão de fortes precipitações para sexta-feira", advertiu a agência meteorológica.

As áreas mais atingidas, no pé de uma montanha, foram esvaziadas após a tragédia e cerca de mil pessoas estão abrigadas em instalações públicas.

Os deslizamentos de terra aconteceram na madrugada de quarta-feira depois de intensas chuvas. No espaço de três horas o índice pluviométrico foi equivalente a um mês normal, segundo os meteorologistas.

As autoridades reconhecem que subestimaram a ameaça e demoraram a pedir aos habitantes que deixassem suas casas.

Quando equipes foram mobilizadas durante a noite para socorrer a população, os deslizamentos já tinham começado.

Todas as testemunhas falam de tempestades inimagináveis e de barulhos assustadores.

Hiroshima é a região do Japão considerada a mais propensa a sofrer este tipo de tragédia devido à instabilidade de suas terras.

O imperador do Japão e sua esposa publicaram uma mensagem de solidariedade às vítimas.

De acordo com a imprensa, o presidente russo, Vladimir Putin, e o governo sul-coreano também enviaram mensagens de apoio, em um gesto apreciado pelo Japão, que mantém relações distantes com ambos os países.

Devido à situação das terras em Hiroshima, a possibilidade de novos deslizamentos é grande, alertam os especialistas.

Segundo a agência meteorológica, as condições continuam sendo instáveis no sudoeste e no norte do país, e outras regiões apresentam riscos de chuvas torrenciais e deslizamentos de terra.

AFP