Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Oficial da Polícia Montada de Canadá diante de haitianos que tentam cruzar a fronteira de Champlain, Nova York, até o Canadá, em 4 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O ritmo de entradas ilegais dos imigrantes no Canadá procedentes dos Estados Unidos aumentou seis vezes em julho e agosto em relação à média do primeiro semestre, segundo dados publicados nesta terça-feira pelo governo federal.

Em agosto, a Real Polícia Montada do Canadá interceptou mais de 5.700 pessoas em florestas, fora de postos fronteiriços com os Estados Unidos, e em julho foram 3.314 os imigrantes detidos, indicou o Ministério canadense de Imigração.

Durante os primeiros seis meses de 2017, a polícia deteve uma média de 725 migrantes ao mês em situação irregular que queriam realizar uma demanda de asilo no Canadá.

A maioria dos demandantes de asilo que chegou durante o verão (no Hemisfério Norte) é de origem haitiana e fugiu dos Estados Unidos antes de perder, no final do ano, o status de proteção temporária, outorgado a cerca de 60.000 haitianos depois do terremoto de 2010.

No total, mais de 13.200 pessoas foram interceptadas na fronteira desde o mês de janeiro pela Polícia Federal que, depois de capturá-los, os coloca nas mãos das autoridades fronteiriças para que avaliem a demanda de asilo.

Atravessar a fronteira em situação irregular, muitas vezes em zonas florestais, assegura aos novos chegados que sua demanda de asilo será avaliada. Não obstante, em 2016 metade destes pedidos feitos por haitianos foi recusada pelo Canadá.

Diante do fluxo repentino de demandantes de asilo, o governo federal reforçou os seus efetivos nas fronteiras e construiu abrigos temporários para aliviar os centros de acolhida construídos nas cidades vizinhas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP