Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O New York Times relatou um lucro de 15,6 milhões de dólares no trimestre, ante um prejuízo de 221 milhões no mesmo período de 2016

(afp_tickers)

A New York Times Company informou nesta quinta-feira que o aumento do número de assinantes digitais e a alta na receita de anúncios na web ajudaram o jornal a fechar o segundo trimestre com lucro.

O prestigioso jornal vem ganhando assinantes, apesar de o presidente americano Donald Trump ter afirmado que ele estava "falido". A empresa relatou um lucro de 15,6 milhões de dólares no trimestre, ante um prejuízo de 221 milhões no mesmo período de 2016.

O anúncio parece confirmar o sucesso da estratégia do jornal de dar ênfase à cobertura digital, à medida que o número de leitores do papel cai.

A receita global da empresa subiu 14%, a 250 milhões, turbinado pela alta das assinaturas.

Foram 114 mil assinaturas exclusivamente digitais a mais em relação ao trimestre anterior, chegando a 2,3 milhões. O número é 63% maior que um ano atrás.

A receita de anúncios digitais subiu 22,5% ante um ano antes, a 55 milhões de dólares. A alta ajudou a conter a retração de 10,5% na receita com propagandas no impresso.

"Nós tivemos um semestre forte, com crescimento de receita e lucro, e fizemos mudanças significativas na organização para garantir que a aceleração de nosso negócio digital se mantenha a longo prazo", disse Mark Thompson, presidente e diretor executivo.

"Acreditamos que mais e mais pessoas estão preparadas para pagar por jornalismo profundo e de qualidade, que ajude elas a dar sentido ao mundo".

Como muitas organizações de mídia, o Times tem lutado para manter o impulso conforme os leitores migram para novas fontes digitais, inclusive plataformas desenvolvidas por Google e Facebook.

No começo do ano, o jornal criou um plano de demissão voluntária para os funcionários da redação, visando diminuir camadas de edição para focar em reportagem.

AFP