Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Equipe da polícia trabalha perto do Borough Market este domingo 4 de junho em Londres, após atentado

(afp_tickers)

Uma australiana de 26 anos, que viaja a passeio pela Europa há meses, foi testemunha dos atentados ocorridos em Londres, Paris e, nesta quinta-feira (17), em Barcelona.

"Estava em Londres quando houve o ataque na London Bridge e também estávamos na (catedral de) Notre Dame quando aconteceu o ataque" em Paris contra a Polícia, relatou Julia Monaco em entrevista à rádio britânica BBC.

Na quinta-feira, a jovem estava fazendo compras com alguns amigos em um centro comercial próximo a Las Ramblas, em Barcelona, quando uma van atropelou dezenas de pedestres nessa avenida turística da cidade, deixando 13 mortos e mais de cem feridos.

"Tudo estava bem e no minuto seguinte virou um completo caos. Todo mundo começou a gritar e correr", ressaltou.

A turista permaneceu no chão com os amigos no fundo de uma loja sem saber o que acontecia fora dali, antes de a Polícia evacuar a área.

No atentado ocorrido na London Bridge, no dia 3 de junho, a jovem de Melbourne ficou "presa no metrô", segundo relatou à rádio australiana 3AW.

Na ocasião, extremistas atropelaram um grupo de pedestres que caminhava na ponte, antes de esfaquear várias pessoas no bairro de Borough Market, deixando oito mortos e cerca de 50 feridos.

Três dias depois do ataque na capital britânica, Julia estava em Paris quando um argelino de 40 anos atacou um policial com um martelo em frente à catedral de Notre Dame. O extremista se identificou como "soldado do califado".

"Não voltarei para casa, esses criminosos não vão me parar", disse à 3AW. "Quero seguir viajando pelo mundo, e mesmo que me aconteça algo ruim, ainda assim continuarei".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP