Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente francês, Emmanuel Macron

(afp_tickers)

Políticos e autoridades do mundo inteiro, entre eles o presidente Michel Temer, condenaram, nesta quinta-feira, o atentado terrorista ocorrido no meio da tarde em Barcelona, na Espanha, em que uma van avançou sobre os pedestres, deixando ao menos 13 mortos e mais de cem feridos.

- Brasil -

O presidente Michel Temer prestou solidariedade à população da Catalunha pelo Twitter. "Estamos consternados com o ataque em Barcelona. O Brasil se solidariza com o povo espanhol. Nossos sentimentos à família das vítimas", publicou o mandatário.

Mais cedo, o Itamaraty já tinha se pronunciado sobre o assunto. "O governo brasileiro deplora veementemente o ataque terrorista", diz o comunicado. "O Brasil reitera sua condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, qualquer que seja sua motivação".

O craque Neymar, que recentemente trocou o FC Barcelona e pelo francês Paris Saint-Germain, também usou o Twitter para prestar condolências.

"Que Deus conforte todas as famílias. #PrayForBarcelona te quiero BARCELONA", escreveu o jogador.

- Espanha -

"Os terroristas não vão triunfar jamais sobre um povo unido que ama a liberdade em face à barbárie", tuitou Mariano Rajoy, chefe do governo espanhol.

"Eles não vão nos aterrorizar. Toda a Espanha é Barcelona. Las Ramblas vão pertencer novamente a todos", escreveu o palácio do rei espanhol Felipe VI.

Cristiano Ronaldo, ídolo português do Real Madrid, disse estar "consternado com as notícias que chegam de Barcelona". Ele expressou "todo o meu apoio e solidariedade à família e aos amigos das vítimas".

- Reino Unido -

O Reino Unido, vítima de diversos atentados nos últimos meses, é "solidário à Espanha contra o terrorismo", disse a primeira-ministra Theresa May após o ataque de Barcelona.

"Meus pensamentos estão com as vítimas do terrível ataque de hoje em Barcelona e com os serviços de emergência. (...) O Reino Unido apoia a Espanha contra o terrorismo", declarou ela no Twitter

- Estados Unidos -

"Os Estados Unidos condenam o ataque terrorista de Barcelona, na Espanha, e farão tudo o que for necessário para ajudar", reagiu Trump no Twitter. "Sejam corajosos e fortes, nós os amamos!", acrescentou.

Pouco antes, o secretário de Estado, Rex Tillerson, disse que os Estados Unidos estarão ao lado da Espanha.

- França -

O presidente francês, Emmanuel Macron, transmitiu nesta quinta-feira "a solidariedade da França às vítimas do trágico ataque a Barcelona". "Nós permanecemos unidos e determinados", escreveu ele no Twitter.

- Alemanha -

O porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel, denunciou o ataque "revoltante". "Nós pensamos com profunda tristeza nas vítimas do ataque revoltante de Barcelona - com solidariedade e amizade nos espanhóis", escreveu Steffen Seibert em sua conta no Twitter.

- Bélgica -

"A loucura assassina dos terroristas atinge Barcelona", escreveu no Twitter Didier Reynders, ministro belga de Relações Exteriores, cujo país foi agredido severamente por atentados de extremistas. "Estamos novamente solidários e com os pensamentos nas vítimas e nas pessoas próximas".

- Itália -

"Barcelona, a esplêndida, a amiga, foi atacada. A Itália está perto das autoridades locais e espanholas. Nossos pensamentos se voltam para as pessoas atingidas", declarou Paolo Gentiloni, chefe do governo italiano.

- Vaticano -

O papa Francisco expressou sua "grande preocupação" e sua proximidade com o povo espanhol. "O Santo Padre está acompanhando com grande preocupação o que está acontecendo em Barcelona", anunciou em um comunicado o porta-voz do Vaticano, Greg Burk.

- Rússia -

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu que o mundo se una "em uma batalha intransigente contra as forças do terror". "Condenamos firmemente este crime cruel e cínico contra civis", manifestou Putin em um telegrama de pesar ao rei espanhol, Felipe VI.

"O que aconteceu confirma mais uma vez a necessidade de uma legítima união dos esforços de toda a comunidade mundial em uma batalha intransigente contra as forças do terror", acrescentou.

- Israel -

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu ao "mundo civilizado para lutar contra o terrorismo". "Vimos novamente hoje à noite que os ataques de terrorismo chegam a todos os lugares", afirmou em um comunicado.

- Turquia -

O Ministério de Relações Exteriores turco condenou "com a maior firmeza" o ataque a Barcelona em um comunicado. "Nós reiteramos nossa resolução de ficarmos solidários à Espanha, que é uma amiga e aliada da Turquia, e de fornecer para esse fim toda a ajuda possível".

- UE -

"Minhas profundas condolências às famílias e amigos das vítimas, a Mariano Rajoy e aos cidadão da Espanha", escreveu Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia no Twitter.

O presidente do Parlamento europeu Antonio Tajani ofereceu seu "pleno apoio" às autoridades espanholas. "A UE unida para defender a paz", afirmou no Twitter.

Para o presidente do Conselho europeu, Donald Tusk, "toda a Europa está com Barcelona". "Nossos pensamentos estão com as vítimas e os que foram afetados por esse ataque covarde a inocentes", escreveu no Twitter.

- Otan -

O secretário-geral da Otan Jens Stoltenberg denunciou, no Twitter, um ataque "terrível": "Meus pensamentos estão com os que foram afetados. Continuamos unidos na luta contra o terrorismo".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP