Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(8 out) Membro das Forças Democráticas Sírias observa uma área da cidade de Raqa

(afp_tickers)

Autoridades locais e tribais negociam a saída de milhares de civis da cidade síria de Raqa antes da ofensiva final das Forças Democráticas Sírias (FDS), que já controlam 90% da "capital" do grupo Estado Islâmico (EI).

"O conselho civil de Raqa iniciou negociações para determinar a melhor forma de permitir que os civis presos entre os combatentes do Daesh (acrônimo árabe do EI) abandonem a cidade", afirmaram as FDS em um comunicado.

Este conselho é um Executivo local no exílio, instalado ao norte de Raqa.

As FDS, uma aliança curdo-árabe apoiada pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, afirmaram, no entanto, que os que abandonarem Raqa depois de lutarem pelo EI serão entregues às autoridades locais e levados à justiça.

A ONU calcula que 8.000 civis permanecem na cidade de Raqa. As FDS afirmam que alguns deles estão sendo utilizados como escudos humanos pelos combatentes do EI.

De acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que tem uma ampla rede de fontes na no país, as negociações também abordam a maneira de permitir que os jihadistas se entreguem e que suas famílias abandonem Raqa.

"As negociações abordam uma saída dos combatentes do Daesh (...) e a possibilidade de que suas famílias possam seguir para Albu Kamal, leste da província de Deir Ezzor", declarou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

A cidade síria de Albu Kamal, perto da fronteira com o Iraque, permanece sob controle do EI.

Esta não é a primeira tentativa de negociar um acordo de retirada de combatentes do EI de alguns territórios. Em maio, dezenas de jihadistas conseguiram deixar a cidade de Tabqa, ao oeste de Raqa, antes da entrada das FDS.

Outro acordo, sem o envolvimento de nenhuma força apoiada pela coalizão internacional, permitiu que jihadistas entrincheirados em uma zona situada entre Líbano e Síria seguissem para o leste da Síria, o que provocou críticas de americanos e iraquianos.

Na terça-feira, o general Jonathan Braga, diretor das operações da coalizão internacional, justificou as negociações ao afirmar que suas tropas tinham "a responsabilidade de vencer o Daesh preservando na medida do possível a vida dos civis".

Os habitantes da cidade setentrional sofrem as consequências da ofensiva contra os jihadistas. Segundo o OSDH, os bombardeios da coalizão provocaram centenas de mortes entre os civis.

As FDS calculam que entre 600 e 700 combatentes do EI continuam ativos em Raqa, de onde vários deles tentaram sair na terça-feira, segundo uma fonte da aliança.

Também nesta quarta-feira, três suicidas se explodiram perto da sede da polícia síria em Damasco, causando dois mortos e seis feridos, informou o ministério do Interior da Síria.

Dois terroristas "tentaram lançar um ataque à sede do comando da polícia", anunciou o ministério, citado pela imprensa oficial.

"Os guardas abriram fogo, o que fez com que se explodissem antes de entrarem no prédio para alcançar seus fins", explicou.

"A polícia conseguiu cercar um terceiro terrorista atrás do prédio, forçando-o a acionar seus explosivos", acrescentou o ministério.

Este triplo atentado, reivindicado pelo EI, é o segundo do tipo em menos de duas semanas na capital da Síria. Em 2 de outubro, homens atacaram uma delegacia de polícia no bairro de Midane, matando 17 pessoas. O ataque também foi reivindicado pelo EI.

Principal fortaleza do regime de Bashar al-Assad, a capital da Síria foi atingida por vários ataques sangrentos desde o início da guerra em 2011, mas tem sido relativamente poupada dos combates.

A guerra na Síria já provocou a morte de mais de 330 mil pessoas desde março de 2011.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP