AFP

Iniciativa considera um traçado total de 3.953 km, com pontos de conexão em pelo menos 30 localidades

(afp_tickers)

Um projeto destinado a estabelecer uma enorme conexão de fibra ótica entre Chile e China avança para a criação de uma das ligações mais extensas do planeta, informaram autoridades chilenas nesta terça-feira.

O pré-projeto de viabilidade já foi terminado e inicialmente se estabeleceram três possíveis vias de conexão entre Xangai, na China, e o porto chileno de Valparaíso ou a cidade austral de Punta Arenas, disse o subsecretário de Telecomunicações do Chile, Rodrigo Ramírez, em entrevista coletiva.

A iniciativa surgiu depois da assinatura de um acordo entre os dois governos e para sua concretização ainda resta o desenvolvimento do projeto de viabilidade técnica e de engenharia de detalhes.

"Com a construção desse cabo Transpacífico, o Chile se transformará na porta de entrada digital entre a Ásia e a América Latina, aumentando as rotas digitais internacionais com as quais o país conta atualmente", explicou o subsecretário.

Já foram definido três vias possíveis e estimado o custo total do projeto, que vai de 500 a 650 milhões de dólares.

Uma das vias conectaria Xangai ao porto chileno de Valparaíso (120 km a oeste de Santiago), com pontos de 'aterragem' em Sidney -na Austrália-, Auckland -na Nova Zelândia-, na Ilha de Páscoa e no arquipélago de Juan Fernández, no Chile, cobrindo uma distância total de 24.168 km.

Outra via sai também de Xangai e culmina em Valparaíso, passando pelo Taiti, somando uma distância total de 20.292 km, e uma terceira alternativa teria como ponto de término a cidade chilena de Punta Arenas, com uma extensão de 20.093 km.

As autoridades chilenas lançaram uma licitação para unir com fibra ótica o extremo sul do país com o objetivo de instalar a conexão mais austral do planeta. Este projeto conta com um subsídio inédito de 100 milhões de dólares.

A iniciativa considera um traçado total de 3.953 km, com pontos de conexão em pelo menos 30 localidades.

AFP

 AFP