Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Imagem cedida pela Marinha americana de avião de combate decolando em 21 de outubro de 2016

(afp_tickers)

Um avião de combate americano derrubou nesta terça-feira um drone das forças pró-governo na Síria, o que provocou a ira da Rússia, que acusou a coalizão internacional liderada por Washington de "cumplicidade com o terrorismo".

Este incidente é o último de uma série entre as forças pró-governo e os Estados Unidos, e ocorreu apenas 48 horas após um caça americano destruir um avião do exército sírio em Raqa, no domingo passado.

Moscou colabora militarmente com o governo de Bashar al-Assad na guerra da Síria, enquanto Washington apoia uma aliança curdo-árabe rival e os rebeldes sírios.

A ONU advertiu sobre o risco de uma "escalada".

O drone de fabricação iraniana Shaheed 129 foi abatido na madrugada desta terça por um avião americano F-15 Strike Eagle depois de ter "mostrado intenção hostil e se dirigido às forças de coalizão", segundo comunicado divulgado por esta.

Os Estados Unidos já abateram um drone das forças pró-governo há duas semanas, na região de Al-Tanaf, cidade fronteiriça no eixo estratégico de Damasco-Bagdá.

Também bombardeou várias vezes na última semana as forças pró-governo que se aproximavam de Al-Tanaf, onde as forças especiais americanas treinam grupos sírios locais que lutam contra os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI).

- "Cumplicidade com o terrorismo" -

Em resposta ao incidente aéreo de domingo em Raqa, a Rússia anunciou na segunda-feira a suspensão de seu canal de comunicação militar com os Estados Unidos na Síria. Além disso, afirmou que direcionaria os seus mísseis para os aviões da coalizão detectados a oeste do Eufrates.

Depois da destruição do drone, o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Riabkov, considerou nesta terça-feira que "este tipo de ataque é equiparável à cumplicidade com o terrorismo".

Este clima agitado levou a Austrália, membro da coalizão internacional, a suspender as suas missões aéreas na Síria.

Ao destruir o avião sírio no domingo, a coalizão afirmou que o aparato em questão bombardeou posições das Forças Democráticas Sírias (FDS).

As FDS, aliança de combatentes curdos e árabes apoiada pelos Estados Unidos, está dirigindo uma ofensiva para expulsar o EI de Raqa. E embora as tropas do governo e as FDS lutem contra o EI, são forças rivais.

"Se o regime sírio atacar as forças que nos ajudam a libertar Raqa, será um problema", indicou à AFP uma fonte diplomática francesa. "[Ainda] estamos dialogando. Não interessa a ninguém que isto piore".

AFP