A Rússia aplaudiu os pilotos - agora considerados heróis - de um Airbus A321, com 226 passageiros e sete tripulantes a bordo, que executaram nesta quinta-feira um pouso de emergência em um campo de milho na região de Moscou, após um choque com um grupo de pássaros.

Às 3H20 GMT (0H20 de Brasília), o avião teve um "choque durante a decolagem com um grupo de pássaros" no aeroporto de Zhukovky, subúrbio de Moscou, informou a Agência Federal de Transporte Aéreo (Rosaviatsia) em um comunicado.

O avião seguiria até Simferopol, principal cidade da península ucraniana da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

"Vários pássaros perturbaram o funcionamento dos motores, o que levou a tripulação a decidir por um pouso de emergência", afirma o comunicado da Rosaviatsia.

O Airbus pousou em um campo de milho que fica a um quilômetro da pista de decolagem, sem o trem de pouso, explicou a agência.

O ministério da Saúde informou que 23 pessoas, incluindo nove crianças, ficaram feridas e receberam atendimento médico. Vinte e duas receberam alta e uma mulher de 69 anos foi hospitalizada.

"Felicitamos os pilotos, são heróis que salvaram vidas e conseguiram pousar o avião", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

"Graças ao profissionalismo da tripulação e seus atos coordenados, a aterrissagem não teve consequências trágicas", elogiou a companhia a Ural Airlines.

"A tripulação demonstrou um conhecimento incrível e um grane controle", escreveu no Instagram Evgeny Kuivashev, governador da região dos Urais, onde fica a sede da companhia aérea.

"O comandante a bordo, Damir Iusupov, natural de Yekanterinburg (Sibéria), e sua equipe salvaram 233 vidas. São heróis", completou Kuivashev.

Os pilotos receberam muitas mensagens de agradecimento dos passageiros nas redes sociais.

"Tenho o mesmo agradecimento pelos pilotos que tenho por Deus, porque conseguimos pousar e o avião não caiu", escreveu um deles no Twitter.

"Todo mundo está vivo! O piloto é um gênio!", declarou uma passageira identificada como Olga ao jornal Komsomolskaia Pravda.

Svetlana Babina disse à agência Ria Novosti que ouviu um "barulho estranho no motor" pouco depois da decolagem.

"Mas temos que ser justos com o piloto, porque em uma situação como esta conseguiu fazer um pouso o menso agitado possível", completou.

O Comité de Investigação russo examina o incidente e o Comitê Intergovernamental de Aviação (MAK) criou uma comissão especial para analistar as circunstâncias.

Em maio, 41 pessoas morreram em um incêndio em um avião Superjet 100 após uma aterrissagem de emergência no aeroporto Sheremetievo, em Moscou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.