Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Julho) Veículos destruídos em combates entre facções armadas na capital libanesa

(afp_tickers)

Aviões não identificados sobrevoaram nesta segunda-feira Trípoli, onde também foram ouvidas fortes explosões, segundo habitantes da capital líbia, palco de confrontos armados entre milícias rivais.

Os primeiros sobrevoos ocorreram por volta das 02h00 da madrugada local e, segundo um habitante, foi ouvido um forte estrondo, sem que fosse possível identificar os aviões ou o local da explosão, que foi seguida por outras.

"As explosões foram ouvidas claramente nos bairros do leste de Trípoli", a 15 km do centro da cidade, declarou este habitante à AFP.

A rede de televisão local "Libya Awalan", próxima ao general dissidente Khalifa Haftar, afirmou que a "aviação militar bombardeou diferentes posições" perto de Trípoli, sem fornecer mais detalhes.

O general Haftar realiza uma operação contra os grupos terroristas que impõem sua lei em Benghazi (leste) desde a queda do regime de Muanmar Kadhafi, em 2011.

Não foi dada nenhuma precisão de fonte oficial sobre estes sobrevoos que ocorrem quando milicianos de Zenten (oeste), nacionalistas que gozam, ao que parece, do apoio do general Haftar, e milícias de Misrata (a leste de Trípoli), próximas aos islamitas, se enfrentavam pelo controle de uma ponte que fecha o acesso ao aeroporto, situado no sul de Trípoli e atualmente em mãos das milícias de Zenten.

Os confrontos perderam intensidade no domingo, quando os milicianos de Misrata disseram ter tomado o controle de uma ponte e de um quartel-general do exército, uma informação impossível de corroborar com fontes independentes.

A Líbia registra combates mortíferos entre milícias rivais desde meados de julho, o que levou o Parlamento eleito em 25 de junho a pedir na quarta-feira uma intervenção estrangeira para proteger os civis.

Desde a queda de Kadhafi, as autoridades de transição não conseguiram restabelecer a ordem e a segurança na Líbia.

AFP