Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente chilena, Michelle Bachelet, admitiu ter sido atingida pelo suposto caso de corrupção do qual seu filho e sua nora são acusados, e que provocou uma forte queda de seu apoio popular.

(afp_tickers)

A presidente chilena, Michelle Bachelet, admitiu ter sido atingida pelo suposto caso de corrupção do qual seu filho e sua nora são acusados, e que provocou uma forte queda de seu apoio popular.

"É óbvio que fui atingida pelo que aconteceu. Foi duro, como mulher, como mãe e como presidente", disse Bachelet em uma entrevista ao canal estatal tvn, transmitida na noite de domingo.

Sebastián Dávalos Bachelet, e sua nora Natalia Compagnon, são acusados de uso "de informação privilegiada" e "tráfico de influências" após um milionário negócio imobiliário concretizado pela Caval, a empresa da qual Compagnon é dona em 50%.

O caso, investigado pela promotoria, provocou uma forte queda na imagem de Bachelet, e seu apoio popular caiu aos níveis mais baixos de suas duas gestões como presidente do Chile.

A presidente disse que nunca teve conhecimento de que sua nora e seu filho estavam em "um negócio de tal natureza", e manifestou seu repúdio a este tipo de operações, classificadas de "especulação imobiliária".

"Sou uma pessoa honesta, sou a mesma pessoa de sempre, nunca aproveitei o cargo com nenhum outro sentido", disse.

O escândalo levou o filho de Bachelet a renunciar a um cargo governamental sem remuneração. "Pareceu-me que era importante que eu renunciasse. Acredito que era o que deveria ser feito", disse Bachelet.

A acusação contra o filho de Bachelet explodiu em meio a outro julgamento midiático por crimes tributários e suborno que o grupo Penta enfrenta, um dos conglomerados econômicos mais influentes do país, que por anos financiou de maneira ilegal políticos da direita opositora.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP