AFP

(Arquivo) Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília, no dia 29 de maio de 2012

(afp_tickers)

O Banco Central do Brasil (Bacen) cortou nesta quarta-feira (12) em 1 ponto percentual sua taxa básica de juros, deixando-a em 11,25%, em uma aceleração do ciclo de distensão da política monetária.

Amplamente esperada pelo mercado para estimular uma economia em recessão, a redução é a quinta consecutiva e a maior desde que o Banco Central iniciou sua série de baixas em outubro passado, quando estava em 14,25%.

A redução do custo do dinheiro é considerada vital para reanimar uma economia que atravessa a pior recessão de sua história e tem 13 milhões de pessoas desempregadas.

No longo prazo, os agentes econômicos estimam que o Bacen dará por terminado o ciclo de cortes em 2017 e manterá o nível de 8,5% em 2018, ano de eleições.

Para tomar sua decisão, o Bacen se apoiou, sobretudo, nos dados de redução da inflação, que fechou o primeiro trimestre do ano em 0,96%.

"O comportamento da inflação permanece favorável. O processo de desinflação se difundiu e houve consolidação da desinflação nos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária", diz a nota do Bacen.

Os analistas consultados pelo Banco Central em sua pesquisa Focus esperam que o ano feche com uma taxa de 4,1%, abaixo do centro da meta oficial de 4,50% (com 1,5 ponto de tolerância), enquanto que, em 2018, poderiam se manter perto do limite.

No último relatório, a alta acumulada dos preços a 12 meses foi de 4,57%.

AFP

 AFP