Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília, no dia 29 de maio de 2012

(afp_tickers)

O Banco Central (BC) reduziu, nesta quarta-feira, a taxa básica de juros Selic em um ponto, a 9,25%, no sétimo corte seguido, favorecido pelo arrefecimento das pressões inflacionárias.

Com a decisão, antecipada pela previsão da maioria dos analistas, a Selic fica abaixo dos 10%, pela primeira vez desde outubro de 2013.

A taxa é o principal instrumento do BC na luta contra a inflação. Em outubro, batia os 14,25%, num contexto que combinava índices inflacionários elevados e uma economia apagada pela recessão.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC indicou, nas últimas semanas, que poderia desacelerar o ritmo de redução da Selic devido às incertezas que rondam o governo de Michel Temer e sua almejada reforma da previdência.

No comunicado publicado nesta quarta, o Copom reconhece que "o recente aumento da incerteza quanto ao ritmo de implementação de reformas e ajustes na economia impactou negativamente índices de confiança dos agentes econômicos".

"No entanto, a informação disponível sugere que o impacto dessa queda de confiança na atividade tem sido, até o momento, limitado".

A Força Sindical considerou o corte tímido e disse que o governo "mais uma vez frustra os trabalhadores", já que os juros mais altos desestimulam o consumo e o investimento.

"A taxa Selic continua extremamente proibitiva, e o Brasil perde outra chance de apostar no setor produtivo devido ao excesso de gradualismo e conservadorismo de quem dirige a economia no país", afirma o órgão.

AFP