Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente do Banco Mundial Jim Yong Kim em Olivos, Buenos Aires, no dia 17 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, disse nesta sexta-feira em Buenos Aires que a inteligência artificial acabará com mais da metade dos trabalhos existentes nos países emergentes, mas serão gerados novos empregos com outras capacidades.

"A inteligência artificial vai eliminar entre 50% e 65% de todos os trabalhos existentes nos países em vias de desenvolvimento, incluindo a Argentina", afirmou Jim Yong Kim, ao participar do debate "Investindo nos empregos do futuro" no ministério de Ciência e Tecnologia nos Buenos Aires.

No entanto, esclareceu que serão gerados novos empregos com diferentes capacidades, motivo pelo qual, no futuro, "a corrida para ser competitivo vai estar relacionada com a inovação", disse.

"Esta dinâmica vibrante vai gerar novos trabalhos porque nossa tarefa não é tentar preservar os empregos antigos, e sim criar novos que vão precisar de novas capacidades", argumentou Jim Yong Kim.

O número um do Banco Mundial se encontra de visita na Argentina, onde na quinta-feira se reuniu com o presidente Mauricio Macri, que elogiou "pelas reformas que leva adiante". Segundo previsões, a terceira economia da América Latina crescerá 2,7% em 2017.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP