Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem do prédio do Banco Mundial, em Washington DC, em 7 de maio de 2007

(afp_tickers)

O Banco Mundial (BM) anunciou, nesta quarta-feira, que arrecadou 500 milhões de dólares nos mercados para financiar seu fundo de combate a pandemias, criado após a epidemia de ebola no oeste da África, em 2013.

"Nós estamos superando o ciclo de pânico e negligência que marcou nosso comportamento em casos de pandemia", disse o presidente da instituição Jim Yong Kim, em comunicado.

O mecanismo de financiamento consiste da emissão de títulos pelo BM que funcionem como uma apólice de seguros: os investidores têm rendimentos elevados, mas correm o risco de perder todos os investimentos caso haja uma nova pandemia.

Se isso acontecer, todo o valor arrecadado integraria o Fundo de Financiamento de Emergência contra Pandemias (PEF, em inglês), que vai dar financiar sistemas de saúde pública de países em desenvolvimento.

O PEF cobre os vírus mais prováveis de causar uma pandemia - influenza A, SARS, MERS, ebola, vírus de Marburg - e outros como Crimean Congo, febre do Vale de Rift e febre de Lassa.

Outro objetivo desse fundo é diminuir a lentidão da mobilização de ajuda internacional. Essa demora foi particularmente grave na epidemia do ebola, que deixou 11.300 mortos entre 2013 e 2016.

De acordo com o BM, pela primeira vez o custo do risco de uma pandemia em países pobres será transferido para o mercado financeiro.

Os bônus seduziram os investidores e, segundo o BM, a demanda foi duas vezes maior que a oferta.

AFP