Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chefe da negociação do Brexit para a União Europeia, Michel Barnier, no dia 12 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O chefe da negociação do Brexit para a União Europeia, Michel Barnier, citou um possível período de transição até o fim de 2020, mantendo o atual estado das relações entre Reino Unido e União Europeia, em uma entrevista ao Echos publicada nesta segunda-feira (23).

"Nesta fase, não tenho mandato para negociar sobre este ponto (um período de transição). Mas, se chegarmos a um acordo sobre a saída ordenada do Reino Unido, esse período, ao mesmo tempo curto e limitado, é possível", disse Barnier, que deu entrevista a vários jornais europeus.

"Seria lógico que ele cobrisse o período financeiro em curso, então até 2020. Ele nos daria um pouco mais de tempo para preparar a relação futura", acrescentou, de acordo com os comentários publicados no site do jornal Les Echos.

Durante seu discurso em Florença, na Itália, em 22 de setembro, a primeira-ministra britânica, Theresa May, propôs um período de transição de dois anos após a saída do país da UE.

Durante este período, as relações permaneceriam como estão. O Reino Unido deve deixar a UE em 29 de março de 2019.

"Um período como este não seria possível a não ser sob condição de ser enquadrado pela manutenção na totalidade da arquitetura de regulamentação e de supervisão europeia, com a ordem judicial incluída. Isso seria a manutenção do status quo econômico e do conjunto de obrigações do Reino Unido", insistiu Barnier.

Em uma cúpula em Bruxelas na semana passada, dirigentes da UE concordaram em começar, entre eles, as negociações sobre a futura relação com Londres. Eles, contudo, ainda não consideram que alcançaram "avanços suficientes" nas discussões do divórcio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP